12 de outubro de 2016

Resenha | Eu Estive Aqui


Livro: Eu Estive Aqui
Autora: Gayle Forman
Tradutor: Fabiano Morais
Editora: Arqueiro
Paginas: 240
Sinopse:
Desde pequenas, Cody e Meg são inseparáveis. Elas sempre planejam deixar a cidadezinha onde moram, em Washington, e estudar juntas em Seattle. Porém, tudo muda quando Meg consegue uma bolsa integral de uma faculdade prestigiada e vai embora sozinha. Sem a mesma sorte, Cody fica presa na cidade, fazendo vacinas para ajudar nas despesas domésticas.
O destino das duas parece selado, até que Cody recebe a pior notícia de sua vida: Meg se matou. Com uma meticulosidade macabra, sua melhor amiga encomendou um veneno com um alto nível de eficácia e escreveu e-mails a familiares e amigos, programando o envio para depois de sua morte, de forma que ninguém interferisse na decisão fatal.
Por mais que se esforce, Cody não consegue entender por que Meg se suicidou. Quando começa a investigar o que há por trás da morte, ela logo depara com o culpado perfeito: Ben McCallister, o músico metido a galã que vai para a cama com o maior número possível de garotas. O cara que era amigo de Meg e que a abandonou depois de transar com ela.
Contudo, com tempo, Cody percebe que a questão é muito mais complexa do que uma decepção amorosa. Suspeitando de uma frase enigmática do bilhete de suicídio da amiga, ela mergulha num universo virtual obscuro e sedutor e descobre um lado sombrio da própria mente, que a assusta, mas, ao mesmo tempo, a ajuda a lidar com a morte da amiga.
Quanto mais avança na investigação, mas Cody percebe que, para seguir com sua vida, precisa perdoar Meg e, o mais importante, perdoar a si mesma.

Meg e Cody eram melhores amigas e inseparáveis, faziam planos de ir embora para estudarem e viverem juntas, mas apenas Meg realiza os planos de ir embora para cursar a faculdade, enquanto Cody fica na mesma cidade de sempre, fazendo faxinas.
O que Cody não esperava era que sua melhor amiga, Meg, iria de suicidar. A vida de Cody vira de cabeça para baixo. Várias perguntas rondam a sua mente: Meg não dava nenhum sinal suicida, e mesmo assim, se suicidou, por que? O que era tão insuportável a ponto de se matar? Por que ela não contou nada? Será que ela dava sinais e Cody não percebia?
Os pais de Meg, pedem para que Cody viaje para Tacoma, no intuito de arrumar e buscar os pertences da filha.
Quando Cody chega no dormitório de Meg tem a surpresa de encontrar tudo arrumado, sendo que nenhum dos outros alunos, que dividiam o espaço com Meg, mexeram em suas coisas. Lá, Cody também conhece os amigos de Meg.
Os pais de Meg entrega para Cody, o notebook da filha e pelos e-mails de Meg, Cody descobre do envolvimento da amiga com Ben McCallister. Um rapaz que a abandonou depois de transar com ela.
Logo de início, Cody culpa Ben pelo suicídio da amiga, mas ao descobrir um arquivo no notebook de Meg, ela percebe que tem muito mais coisa por trás do suicídio da amiga do que imagina.

"Você tinha um monte de pedras nas mãos, então resolveu limpá-las, deixá-las bonitas e fez um colar. Meg ganhou um colar de joias e se enforcou com ele."

Juro que ao comprar este livro, não li a sinopse, nem nada, só comprei por causa da autora, pois eu tinha amado os outros livro que li dela. Comecei a ler Eu estive aqui sem ter ideia do que era a história.
E depois do primeiro capítulo, não consegui parar, eu simplesmente o li em um dia, porque não tinha como parar de ler.
Gayle Forman traz dois temas complicados e talvez pouco tratado na nossa sociedade: a depressão e o suicídio.
Ela trouxe a história de forma tão natural, mostrando que todo mundo pode ter uma pessoa com depressão na família ou uma que se suicida. Ou os dois.
A história com assuntos tão polêmicos, mas colocados de forma real, não te faz parar por um segundo. O mistério escondido te deixa na vontade incontrolável de virar a página.
Como eu disse, a história se desenvolveu pelos personagens de forma tão simples, que podia atingir qualquer um: familiares, amigos e relacionamentos.
A dor de Cody é palpável, pois ao mesmo tempo em que ela sente culpada pela morte de amiga, pois não percebeu nenhum indício, não esteve lá no momento para ajudá-la, ela também se sente traída, ao tempo que descobre acontecimentos e coisas da vida da Meg dos quais não soube e não fez parte.
Percebemos ao decorrer do livro, que Cody vê Meg como uma pessoa perfeita, a colocava em um pedestal e Cody precisa entender que a amiga também tinha suas fraquezas e aprender a viver sem Meg, por conta própria, como Cody e não como a amiga de Meg.

O desenvolvimento dos personagens é o melhor de tudo, assim com Meg, outros personagens, como o Ben McCallister, Trícia e a família de Meg também foram descritos de forma bem realistas, com defeitos e qualidades como qualquer outra pessoa. E o crescimento deste personagens, ao se dar uma segunda chance, ao se permitir aprender novamente é o melhor da história.
O romance do livro, não é o principal da história, mas é desenvolvido de forma gradual, onde a escritora sabe o ponto certo de os personagens se beijar pela primeira ves, sem se esquecer do foco da história.

A heroína Cody, mesmo com seus defeitos e por ver mais seus defeitos do que suas qualidades, me fez torcer por ela. Me fez, como leitora, acreditar em segundas chances e novos recomeços.

Eu estive aqui é um livro que quero ler novamente. É um livro que me fez abrir os olhos por questão que acontecem dentro de nossas casas e não damos a atenção devida.

Espero que mais leitores leiam este livro e que como eu possa ver certas situações de forma diferente. Espero que este livro torne mais pessoas em leitores.

"Quanto mais perto você chega da verdade, mais fácil é mentir."

Adquira

Nenhum comentário:

Postar um comentário