7 de março de 2017

Resenha | Entrelace: Caminhos que se Cruzam ao Acaso – Diana Scarpine

Livro: Entrelace: Caminhos que se Cruzam ao Acaso
Autora: Diana Scarpine
Editora: Amazon
Páginas: 485
Carol é uma mulher insegura e preconceituosa, que tem um relacionamento virtual com Henri, um homem forte e independente, que enfrenta as adversidades que a vida lhe impõe. Aparentemente apaixonados, embora nunca tenham se visto pessoalmente, eles anseiam transpor o namoro virtual para o real, mas o tão sonhado primeiro encontro não acontece como planejaram e eles rompem o relacionamento. Por mais que tentem se manter afastados, os destinos de Henri e Carol foram  irremediavelmente entrelaçados e seus corações, unidos pelo amor, mas implacavelmente afastados pelo preconceito. O amor será capaz de vencer esse profundo e intenso embate contra o preconceito? Ou o preconceito será capaz de subjugar o amor presente no coração de uma mulher?

Carol e Henri tiveram um relacionamento virtual por mais de dois anos e nunca se encontraram pessoalmente, ou seja, nunca se viram. Ambos tem a certeza absoluta de que se amam e querem se encontrar para poderem enfim terem um relacionamento real. Henri, sofreu um acidente há vinte anos, que o tornou tetraplégico, portanto, dependente de uma cadeira de rodas.
Henri ao contrário de muitas pessoas com algum tipo de deficiência não tem o auto preconceito consigo mesmo, muito pelo contrário, ele deu a volta por cima e mesmo que tenha limitações, se tornou independente. Completamente apaixonado por Carol, Henri está ansioso e apreensivo para conhecê-la pessoalmente porque mesmo sendo seguro de si, tem medo da reação da Carol ao vê-lo na cadeira de rodas, mas ele já contou para ela sobre a sua deficiência e ela aceitou, afinal o amava acima de tudo, então não tinha problema algum.
Porém, ao se encontrarem, a reação de Carol é a que Henri mais temia. Ela o humilha da pior forma possível, afinal como alguém como ele, um aleijado poderia sequer imaginar ficar com ela? Negando a Henri que nunca recebeu o e-mail dele lhe contando que é tetraplégico, Carol deixa claro que não vai ser enfermeira de ninguém e que ele a enganou.
Separados mesmo sem antes se tocarem verdadeiramente, cada um decidi seguir com a sua vida. Carol, com o seu preconceito, não ficaria com um aleijado, como ela mesma se referia. Henri não poderia obrigá-la a ficar com ele e arrancar esse preconceito dela e mesmo que estivesse doendo muito em si ver a mulher que ama humilhá-lo de forma tão degradante, ele também tinha que continuar. Entretanto, o destino ou o simples acaso parece querer juntá-los de alguma forma, porque em um belo dia, ao chegar em seu trabalho, Carol descobre que Henri é agora, seu chefe e mesmo desejando nunca mais vê-lo, terá que conviver com ele diariamente. 
Eu realmente não sei como começar essa resenha porque tenho muita coisa para falar sobre Entrelace. Sério, eu estou completamente fascinada e não paro de pensar na história maravilhosa que esse livro trás. Preciso urgentemente de pessoas que já o leram para poder conversar sobre tudo isso que é Entrelace.

É o segundo livro que leio da Diana Scarpine e sinceramente, eu não poderia esperar menos dela. Desde o outro livro que li dela é nítido a brilhante escritora que ela é. Entrelace é aquele livro que literalmente te puxa para a história desde o primeiro capítulo e não te solta até chegar à última página. Adjetivos para descrever esta história é o que não me falta, mas vou tentar colocar nesta simples resenha tudo o que Entrelace me passou.

Henri, sinceramente, se alguém leu e não amou esse personagem deve ter lido errado. Mesmo que o destino tenha lhe pregado uma peça cruel, o deixando tetraplégico, ele não se abala, pelo menos não depois de vinte anos. Henri conseguiu se superar e ele entende que mesmo com limitações é possível viver uma vida normal e ser independente. As qualidades tanto internas quanto externas dele são fantástica, porque mesmo com a descrição de que ele não se encaixa nos "padrões" até por causa da sua deficiência, ele é lindo no meu ponto de vista. E as qualidades internas dele são... sem palavras. Ele é tão bom, ele é tão feliz mesmo com todo o preconceito a sua volta, sem contar que o fato dele ser um personagem que não se menospreza pela sua deficiência é fantástico e muito representativo. Henri, mesmo que agora esteja apaixonado pela Carol, seguiu em frente e se tornou independente por ele mesmo, e mesmo depois de ser rejeitado e humilhado pela mulher que ama ele não se deixa abater, ao ponto de se menosprezar ou colocar a culpa em sua deficiência, porque não tem nada de errado com ele, o errado é o preconceito alheio. O preconceito de Carol.
Peço, todavia, que não tente mais me machucar seja psicológica ou fisicamente, pois eu já sofri bastante em minha vida e a deficiência não me faz menos humano do que as outras pessoas. Eu tenho sentimentos como qualquer um, como você, e não quero voltar a sentir a dor física e psicológica que senti hoje."
Carol é uma personagem que fez com que eu brigasse comigo mesmo, porque eu gostava dele mesmo a odiando desde praticamente o primeiro capítulo. Eu gostei dela, da personagem em si, mas não da personalidade dela, porque sinceramente, ela faz uma idiotice atrás da outra. Ela é uma personagem muito bem desenvolvida pela autora, porque ela tem um conflito interno tão verdadeiro que é fascinante e provoca conflito no próprio leitor, como no meu caso. Ela não nega para si mesma que sente atração pelo Henri, ao mesmo tempo em que o preconceito dela é tão forte que a faz humilhá-lo sem ao menos considerar que ele tem sentimentos. Eu brigava comigo mesma porque ela tem certas atitudes, resultado desse preconceito existente em si, que eu queria entrar na história e dar um tapa na cara dela. Porém, como eu disse, o desenvolvimento dela é tão maravilhoso que mesmo a odiando em certas partes, é fascinante acompanhar a jornada dela em Entrelace, aprendendo a se livrar desse preconceito idiota. Sem contar que a autora vai deixando fragmentos pela história te dando pistas de que a Carol tem mais história para contar, quando do nada você chega em certo capítulo e tudo é jogado em cima de você, como uma bomba e é impossível não amá-la e mais uma vez dar vontade de entrar na história, mas ao invés de bater nela, adoraria abraçá-la e dizer o quão forte ela é por ter superado tudo pelo que passou. 

Um romance rodeado pelo preconceito, Entrelace é um livro de certa forma brutal, porque o coração do leitor se destrói ao ler algumas cenas. Eu não posso dar spoiler para vocês e cada pedacinho desse livro parece tão importante que é impossível escolher algo para falar porque tudo é muitíssimo importante. O melhor de tudo e que eu achei completamente fascinante é a autora trazer uma personagem tão preconceituosa como personagem principal porque a possibilidade da personagem não ser aceita e ser odiada é muito grande. Isso me surpreendeu porque contar uma história onde o personagem narra o próprio preconceito é tão real, tão palpável que chega a ser fascinante ao mesmo tempo que é triste. 
"E esta situação tornava-se cada vez mais incômoda e dolorosa para mim. Amor e rejeição não podiam caminhar juntos. Pelo menos, na minha opinião não."
Os capítulos são narrados intercaladamente, sendo um narrado por Henri outro pela Carol e isso é também outro ponto muito crucial para a história porque o leitor tem a visão de ambos, mas não se preocupem, ela não narra a mesma cena pelos dois personagens, a cada personagem narrando a história vai se desenvolvendo. Henri e Carol são completamente diferentes, mas ele pode ser a pessoa que conseguirá libertar ela desse preconceito, a transformando em uma pessoa melhor, mas outra parte importante que é ligada diretamente com isso é que a autora e a história em si deixa bem claro que a vontade de se livrar do preconceito tem que ser dela mesma, ela tem que querer por ela mesma. 

O romance da história é algo magnífico. Sabe quando o escritor consegue deixar bem claro a química existente entre o casal? Sabe quando o casal fica finalmente junto e você sente as borboletas no estômago e as vezes até se arrepia? Bom, Carol e Henri são um daqueles casais que realmente são para ficar juntos, porque a química, a paixão e o amor entre eles é tão forte que é impossível não achar magnífico. 

Mais uma vez, Diana consegue fazer uma crítica social bem forte à precariedade da inclusão dos deficientes na sociedade. A falta de rampas, restaurantes, hotéis, enfim, respeito à uma pessoa que tem uma deficiência é tão grande e a autora consegue desenvolver bem isso, afinal, quando não inclui o deficiente que é uma pessoa como qualquer outra na sociedade é sim uma grande forma de preconceito e o Brasil precisa melhorar e muito neste quesito.
"Agora que eu estava pronta para amá-lo sem as amarras do preconceito e das dúvidas sobre a independência dele, parecia que era tarde demais."
Como vocês viram na foto, tem o livro físico e o e-book. Na verdade, hoje só tem o e-book. esse físico com a capa antiga é da primeira edição. Eu estava muito fissurada querendo ler essa história e não posso de forma alguma ler e-book por causa de um tratamento, então uma amiga minha conseguiu esse da primeira edição em um sebo. Quero muito que a nova edição saia em versão física também porque pelo que sei tem capítulo extra, sem contar que a nova capa é ainda mais linda, não é?

Emocionante, apaixonante, brutal, triste e surpreendente, Entrelace é aquelo livro que tem muito oferecer e consegue oferecer mais. É aquele livro que quando você acha que não consegue ser ainda mais magnífico, ele te prova que pode ser. É aquele livro que te causa sentimentos, sensações e conflitos. É um livro que te mostra o preconceito da forma mais real e mais crua que se pode existir e, que vai te mostrar como nossa sociedade ainda é muito preconceituosa e que o preconceito só se vencerá quando nós mesmo decidirmos combatê-los e quando não fecharmos os olhos e fingir que ele não existe.
"A diferença, seja ela qual for, não é uma aberração. É apenas uma forma mais perceptível de demonstrar que, na verdade, a regra, a normalidade é a diferença, e não, o padrão, pois ninguém é igual."
 Adquira
Mostrar Comentários
Ocultar Comentários

9 comentários:

  1. Nossa! Que resenha maravilhosa! Deu realmente pra sentir tudo que você sentiu por conta do livro. Agora, mais que certeza, tenho de ler!
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio Literário de Carnaval
    Resenha premiada Paixão e Crime
    Sorteio Três Anos de Historiar

    ResponderExcluir
  2. Linda resenha, Gabriela! Adorei! Muito obrigada!

    Abraço,
    Diana Scarpine.

    ResponderExcluir
  3. Oie
    Pelos teus comentários o livro é realmente muito bom, eu ainda não conhecia.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Que perfeito, amei *U*
    Beijos,
    www.thalitamaia.com

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Nossa faz tempo que um livro nacional não me chamava tanta a atenção! Gosto de personagens que sofrem certos dramas físicos e também nos relacionamentos. Gostaria muito de conhecer o Henri, por isso vou adquirir esse ebook! Já a protagonista parece bem imatura não sei se irei gostar dela!
    Parabéns pela resenha!

    Beijos!
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Amei sua resenha, confesso que não sou de ler muitos livros internacionais não. Os meus favoritos são os nacionais, como esse! Amo histórias mais dramáticas. ❤

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  7. Oi! Eu gostei muito da sua resenha mas me incomoda o enredo. Se o outro livro fala de um personagem que não aceita sua deficiência e temos uma mocinha que o ama independente de tudo, aqui temos o contrário. É bem pouco inovador, e eu esperava que fosse um enredo que se enveredasse para outro lado. Mesmo assim é inegável o talento da autora para transpassar emoções e sentimentos, falando do preconceito de uma forma maravilhosa. Ainda assim gostaria muito de ler o livro.
    Beijo! Leitora Encantada
    Participe do sorteio do blog e concorra a três livros

    ResponderExcluir
  8. Oii,
    Não conhecia o livro,as gostei da premissa da história.
    Fico feliz que tenha gostado.
    Bjs

    http://diarioelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Uau!!! Estou impressionada com a resenha! Gente preciso urgentemente ler esse livro!
    Caramba não acredito que estou perdendo de lê-lo, parece ser incrível! Essa autora já é uma das minhas favoritas sem nem almenos eu ler algo dela, quero esse livro!!!
    Estou apaixonada, pela capa, a sinopse, e a autora haha
    Beijos ❤
    JP
    P.S.: Que blog lindo!!

    ResponderExcluir