Resenha | Uma Vez Você, Uma Vez Eu – Diego Martello

Livro: Uma Vez Você, Uma Vez Eu
Autor: Diego Martello
Editora: Novo Século
Páginas: 184
Marcos e Willian, pai e filho, tentam se reconciliar após anos de desentendimento. Em paralelo, Eva, mulher de Willian, quer a todo custo engravidar, o que frustra o casal. A partir da visão do interior de cada um, esses personagens terão de reconfigurar o modo de pensar para enfrentar os seus conflitos. Nessa fase tão conturbada para todos, reflexões acompanham cada segundo da trajetória deles.
Narrada de forma surpreendente, provocativa e crítica, esta obra não tem a pretensão de apresentar soluções para os problemas enfrentados, mas, sim, mostrar as armadilhas de nosso fluxo de consciência, para compreendermos que as soluções dos problemas dependem, muitas vezes, da forma como se lida com as ilusões, ou, ao contrário, como se enxerga verdadeiramente a realidade.
Começamos a história com Willian já se questionando. Procurando uma explicação para tudo. Explicação sobre o porquê de acordar, sobre os ponteiros do relógio parecerem rir dele e muitas outras coisas. Todas essas questões aparentemente bobas nos levam para a história deste homem que parece estar meio perdido em sua vida. 
Sua mulher, Eva, não consegue engravidar e isso vem abalando o casamento deles, tornando assim sua vida um pouco mais questionável, afinal, porque isso teria que acontecer com eles? Willian, recebe uma ótima proposta de trabalho, mas mesmo que momentaneamente esteja feliz, não é real. Não é real porque ele está perdido, não tem propósito, não tem perspectiva, então nada lhe dá uma felicidade verdadeira.
Essa falta de rumo pode estar ligada diretamente com seu pai, Marcos. Willian trabalhava na empresa da família, junto com seu pai, mas nos últimos tempos, nem tudo acontecia da melhor forma. Não estavam passando pelo melhor momento da empresa, muito pelo contrário, e cada um ali estava com os nervos a flor da pele, até que um dia, em uma festa da empresa, na frente de todos, Willian realmente "explode" com seu pai, colocando rapidamente um fim na relação deles. Desde então, Willian não fala mais com seu pai, não faz mais parte da empresa da família e nem consegue realmente encontrar um propósito para sua vida.
Um dia, meio que obrigado por sua esposa, ele vai visitar seu pai que sofreu um acidente. Chegando lá, Willian vai ser levado para uma "missão". Seu inconsciente, sua mente lhe designará por caminhos do passado que talvez ele não lembre ou não queira lembrar, mas que começarão a ajudá-lo a dar sentido a sua vida. O seu íntimo lhe mostrará o que ele realmente deseja e será aprendendo que tantos os acertos quanto os erros podem lhe ajudar a entender o seu presente e o seu futuro, dando assim, sentido, perspectiva e propósito para sua vida.

Preciso confessar para vocês: Estava com medo de fazer essa resenha. E estava com esse medo porque não sei se consigo encontrar palavras para descrever o quão fantástico, maravilhoso, inspirador e magnífico é esse livro, que com sua magnitude vai te prendendo até a última página, fazendo com que sua mente não pare de pensar, não pare de refletir sobre as brilhantes palavras que você lerá em Uma Vez Você, Uma Vez Eu. Mas, como uma das lições dessa história é superar o medo e entender que você é capaz, eu não poderia deixar de mostrar para vocês o quão maravilhoso foi embarcar nesta história.
"Tudo o que eu conquistava não me trazia prazer, e eu não entendia o objetivo de minhas conquistas."
É meio complicado descrever cada personagem, principalmente o Willian que é o sentido desta história. Como é a nossa mente que controla nossas ações e o autor se baseia nisso, temos um Willian que já tem uma vida estruturada, digamos assim, mas que ele em si não está estruturado. Ele está em o que alguns chamariam de "crise existencial", eu acho que é mais que isso. Ele questiona tudo ao seu redor, porque precisa entender o que acontece dentro de si mesmo. Aos poucos, ele vai entendendo o porquê das coisas acontecerem, de que medos fazem parte da vida, mas que é preciso enfrentá-los. Nem sempre irá acertar, e os erros também são importantes para ter o pé no chão e entender o que está acontecendo a sua volta, entender que suas próprias atitudes, até suas próprias palavras atingem os outros e quando não ditas verdadeiramente, poderá ter proporções das quais não conseguirá controlar. Precisa entender que mesmo buscando sempre uma felicidade, nada será eterno e que não adiante fingir que a tristeza ou a dor não existem, pois elas existem e precisam ser sentidas para que ele entenda o que está sentido, para entender o que acontece consigo próprio. Willian, está se desenvolvendo mesmo que já seja um homem com a vida feita, porque podemos nos perder a qualquer momento e é isso que acontece com Willian, ele se perde e precisa se encontrar novamente.
"Continuando minha análise, havia algumas pessoas sentadas, em paz, somente observando. Outras estavam atentas, à procura de algo, mas talvez nunca viessem a enxergar nada na vida, mesmo não sendo cegas."
O livro trás personagens coadjuvantes dos quais me apaixonei, mas não tenho tanto para falar sobre eles, porque, a história é sobre a mente de Willian, então naturalmente não temos aquelas histórias paralelas dos coadjuvantes, mas, o autor conseguiu trazer todos os seus personagens com tanta magnitude, que juro, me apaixonei por todos. Marcos, pai de Willian é o fator principal de seus questionamento. Muito sábio, é um homem que quer reconstruir a relação com o filho, mas entende a necessidade de que certos passos tem que ser dado pelo próprio Willian para que não ocorra arrependimentos no futuro. Eva, a esposa de Willian é fantástica. Sou completamente apaixonada por essa personagem. Dona de uma calma e uma paciência surpreendente, ela é maravilhosa, porque não é apenas a mulher de Willian, mas sim o que ele precisa. Ela escolheu estar ao lado dele e quer que ele compreenda a importância de se ter uma perspectiva de vida. Ela quer tanto ser mãe, não consegue e mesmo assim está ali, continuando, porque é preciso enfrentar os obstáculos do destino, é preciso seguir em frente e ela entende isso.
"Era como se eu tivesse abandonando o meu passado em um lugar seguro e de fácil acesso, porém, quando fui matar a saudade e lhe fazer uma visita, ele já não estava mais onde eu o deixara."
Ultimamente tenho lido alguns livros que sempre digo que são simples e leves, Uma Vez Você, Uma Vez Eu me fez sair desse ciclo, me fez sair da minha zona de conforto. Este livro é o que poderíamos chamar de denso, no bom sentido. Ele tem parágrafos longos, mas o leitor entende a necessidade dessa escrita. Diego Martello trás uma escrita poética até certo ponto, porém, ela é muito mais reflexiva. Cheia de detalhes que faz a mente do leitor viajar, a escrita do autor trás muita reflexão. Esse é o ponto de tudo. É o fator principal que me fez amar o livro. Me tirou da minha zona de conforto, me levou além das minhas perspectivas e me fez parar para pensar, para refletir e isso é o que um livro tem que causar.
Um exemplo disso é que eu peguei o livro para ler e pela quantidade de páginas, achei que o leria de uma vez, mas não consegui. A todo momento eu parava e pensava no que estava lendo, ligava muita coisa com a minha vida e passava um certo tempo apenas refletindo sobre o quão verdadeiro aquelas palavras eram e o quanto elas me tocavam. Eu não consegui ler de uma vez porque parei muito a leitura, mas não porque estava ruim e sim porque estava ótima.
"O novo nem sempre nos traz a solução, mas nos possibilita novas experiências, novos erros e um novo aprendizado, que, por sua vez, sempre nos traz mais do novo, mais conhecimento e mais chances de chegarmos ao objetivo."
Eu nem sei se o autor se inspirou em alguma parte da história da filosofia e nem sei se esse era o propósito dele, porém, eu como uma apaixonada pela filosofia não pude deixar de ligar essa magnífica história com a história da filosofia. Essa matéria que não é amada por todos, tem como base a reflexão e o questionamento desde o seu início com Tales de Mileto que foi o primeiro a realmente questionar qual era o elemento primordial que dava origem a todas as coisas e, sendo também o primeiro a responder tal questionamento. Com isso, quero dizer, a arte da Filosofia é questionar, refletir e buscar uma verdade e acredito que Willian esteja passando por isso. Ele questiona o mundo a sua volta, não se contentando apenas com as respostas que lhe foram dadas, da mesma forma que Sócrates se importava com o conhecimento e buscava uma verdade, não acreditando nos sofistas que se contentavam com opiniões. Bom, sem entrar muito em filosofia, o que quero dizer é que Uma Vez Você, Uma Vez Eu trás um conhecimento tão fantástico, esse livro é um daqueles que você sabe que em suas páginas tem coisas maravilhosas, tem conhecimento, reflexão e muito mais a oferecer.
"Ser sincero consigo, com seus princípios e seguir suas paixões, não dependem do nível de dificuldade que você vive. Seguir suas paixões é uma escolha sua. Não é uma escolha fácil, mas é somente sua. Só você sabe o que sua alma deseja."
Outro ponto que o autor conseguiu me fazer ficar de boca aberta e ansiosa foi o final. Eu juro, já amava o livro sem ter terminado a leitura, mas quando cheguei no final, fiquei: O que está acontecendo? Como esse escritor consegue fazer isso? Acredito que esse é um dos finais que mais me surpreenderam até hoje. Eu cheguei em certa parte e meus olhos estavam lacrimejando, para depois o autor me surpreender de uma forma que parecia que eu nem entendia o que tinha acontecido. Eu tive aquela montanha russa de sentimentos, ele conseguiu me fazer chorar mesmo que de alguma forma eu entendesse o porquê do que estava acontecendo, acontecer. Depois me fazia ficar feliz de uma forma surpreendente.
Não existia forma melhor para terminar Uma Vez Você, Uma Vez Eu e sinceramente, acredito que só o Diego Martello para conseguir escrever algo como escreveu, porque de todos os livros que eu li até hoje em minha vida, a escrita dele é realmente única e é realmente brilhante. Ele conseguiu me fazer amar cada pedacinho do seu livro, sendo que é um livro do qual não estou acostumada a ler, um livro que realmente me tira da minha zona de conforto, como já disse a vocês. É um livro que todos deveriam ler.
"Você não precisa dominar o mundo para ficar em paz, você precisa ficar em paz para dominar o mundo, e esse mundo está dentro de você. A dor é só um alerta que mostra que, naquele instante, você está se distanciando de seu caminho. Sinta-a, deixe-a queimar. Tente entender sua mensagem, pois ela é o seu grito para você mesmo."
Uma Vez Você, Uma Vez Eu tem muito a ver com a nossa vida. Quem nunca se questionou? Está fazendo o que realmente gosta? Do que você gosta? Qual é o seu projeto de vida? Qual é o seu propósito? Você tem um? O que está fazendo para enfrentar os seus medos? Eles te paralisam? Você está vivendo a sua vida ou só está vivendo por viver? O que você é? Qual o seu sonho? Se você ainda não se fez nenhuma dessas perguntas, o que acho difícil, tenho certeza que um dia fará, Em Uma Vez Você, Uma Vez Eu o protagonista está passando por esses questionamentos, e no meio de reflexões em sua mente, o leitor é guiado pelo caos que pode ser se perder de si mesmo e o quão difícil pode ser se encontrar, porque a resposta para tudo ou para nada está dentro de nós mesmos e só quando realmente se quer é que conseguimos extrair tudo para fora. Willian está nesta jornada e espero que todos que também estejam, consigam chegar ao fim. Espero que eu consiga.
"Se permanecer ao meu lado sempre, tiver seu desejo fundido em aço e pregado em seu coração como se a cada batida ele marcasse de sangue o seu peito por dentro, terá de mim, em pura realidade, seu desejo realizado, pois, afinal, sou sua mente e lhe obedecerei."
Adquira

8 comentários:

  1. Olá!

    Eu já ouvi falar muito desse livro. Amei sua resenha! Percebi que ele é ótimo em poucas páginas.

    Talvez eu leia, porque estou ficando cada vez mais ansiosa para isso, mas minha TBR está enoooorme hahaha.

    Beijão
    www.cretinaliteraria.com

    ResponderExcluir
  2. Uauuu! Eu adorei a resenha! Que tocante, tanto o seu texto como me parece ser o livro. Ás vezes é bom mesmo sair da zona de conforto! Gostei dos questionamentos, já me fez refletir só de ler a resenha! <3

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante
    Sorteio A guerra que salvou a minha vida

    ResponderExcluir
  3. Resenha fantástica e realmente esse livro é incrível...parabéns e mto obrigado por compartilhar sua emoção ao ler este livro....

    ResponderExcluir
  4. Oi, as vezes é bom sair da nossa zona de conforto e nos surpreender com uma história totalmente diferente da que estamos acostumados.
    O enredo do livro parece ser bastante enriquecido e inspirador.
    Adorei a resenha.

    Beijos
    construindoestante.blogspot.com.br || Concorra a um vale presente de R$40,00

    ResponderExcluir
  5. Que resenha incrivel!

    Eu entendo um pouco desse vazio exestencial do personagem principale e fiquei curiosa para saber as respostas desses porques.

    Amei a resenha

    Meu mundinho quase perfeito

    ResponderExcluir
  6. Cada vez que venho aqui tem uma resenha incrível. Creio que essa foi uma das melhores que li.
    Menina, eu estou numa fase que não creio que seja uma boa ler um livro tão existencial, mas deixei anotada a dica.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção #Sorteio1KSeguidores

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Não conhecia o livro, mas fiquei bem curiosa.
    Senti uma inquietação lendo a resenha, acho que preciso conhecer a obra, viu?
    Interessante!
    Beijo
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    Primeiro parabéns por essa resenha tão bem feita. me fez ficar interessada em um livro que geralmente eu não leria. Não sou muito fã das coisas citadas por você, como narrativa poética e reflexiva. Mas pela linda resenha, eu leria ele.

    Prefácio

    ResponderExcluir