12 de maio de 2017

Resenha | Doce Amargo – Evelyn Santana

Livro: Doce Amargo
Autora: Evelyn Santana
Editora: Coerência
Páginas: 448
Melinda é uma garota que não conhece suas origens, tendo sido abandonada com pouco dias de vida em um orfanato, onde se apaixona por uma ilusão, um rosto em uma foto no jornal: Robert Blackwell, um promissor empresário que fez uma doação para o orfanato onde ela morava.
Anos mais tarde, Linda consegue se reerguer, estudar e garantir um bom emprego na empresa de Robert.
Um acidente faz com que se encontrem. A ganância dele os aproxima. E o amor sela tudo.
Melinda não conhece suas origens, pois cresceu em um orfanato onde foi deixada ainda recém-nascida. Foi para lares adotivos diversas vezes, porém, sempre voltava para o orfanato. Por viver em um orfanato, Linda (como costumam chamar Melinda), assim como as outras crianças, nunca teve condições de poder comprar roupas, comemorar verdadeiramente o natal, afinal, não se tinha renda para essas regalias. Porém, teve um ano em especial que Linda não consegue se esquecer. Um jovem empresário fez uma bela doação para o orfanato e aquela foi a única vez em que Linda e todos do orfanato puderam ter roupas novas e comprar uma árvore de Natal. Linda descobriu mais tarde por uma foto em um jornal quem este benfeitor era. Foi a partir deste momento em que Linda começou a nutrir sentimentos por Robert Blackwell.
Robert Blackwell é um empresário muito bem-sucedido e respeitado. Mesmo que pareça ter uma vida maravilhosa, afinal é dono de um império muito promissor, rico e muito bonito, Robert é marcado pelos traumas que sofreu na infância. Ele cresceu vendo o pai amar mais o seu irmão e depois culpá-lo pela morte do mesmo, mas como aquele pai podia ser tão cruel? Robert era só uma criança. Mas isto não importava, ele tirou Robert de sua mãe e de sua irmãzinha levando-o para um internato. Deixou aquela criança crescer sozinha. Anos mais tarde, foi descoberto a amante do pai de Robert, e depois veio o falecimento de sua mãe. Tudo tinha sido destruído e Robert odiava aquele homem que deveria chamar de pai. Cresceu, abriu sua própria empresa e levou seu sobrenome ao reconhecimento que tem hoje. Robert era capaz de tudo para irritar e ir contra seu pai, mesmo depois da morte do mesmo. Ele nunca deixaria que a amante de seu pai ficasse com a herança que continha lembranças de sua mãe, e para isso, ele precisava se casar. Foi assim que seu pai deixou no testamento e ele teria que fazer ou então deixaria tudo para Paige, a amante do ser menosprezável que era era seu pai. Entretanto, ele não se casaria com uma mulher que se seu pai ainda estivesse vivo aprovaria, ele iria contra. Iria encontrar alguém que não fosse o que seu pai desejava. Foi assim que Robert Blackwell entrou na vida de Melinda.
Linda, depois de fugir do orfanato conseguiu construir a sua vida. Conseguiu voltar a estudar, encontrar um lugar para morar, e depois trabalhar para conseguir cursar sua faculdade. A determinação de Linda é impressionante, e de uma bebê abandonada ela conseguiu emprego na R Blackwell Corporation, empresa de Robert o homem que nem sabe de sua existência, mas que ela já amava.
Eu juro para vocês que estou há horas tentando escrever esta resenha, ma simplesmente não consigo encontrar palavras para falar do que é este livro. Eu não sei se vocês já passaram por isso, mas eu acho muito mais fácil falar sobre um livro quando tenho alguma crítica sobre ele, porque quando tudo na história te agrada é impossível encontrar palavras para descrevê-la e é muito mais difícil escolher de quais pontos falar porque a história toda é surreal. É magnífica. Bom, estou tendo esse problema com Doce Amargo. Já fazia um tempo que um livro não me agradava em todos os pontos como este agradou.

Melinda é aquela protagonista que você compreende o porquê dela ser a personagem principal de um livro, porque ela é uma personagem tão verdadeira que sua história é realmente necessária para o mundo. Bom, eu sou muito criteriosa com o desenvolvimento de personagens, principalmente dos protagonistas e o que posso dizer é que a escritora desenvolveu maravilhosamente bem a Linda, porque o leitor consegue ver o quão importante, surpreendente e apaixonante ela é. Linda tem uma história muito forte e ela é a representação de que quando você quer, consegue. Ela não tinha nada, foi simplesmente abandonada ainda bebê e mesmo assim correu atrás de sua vida. Talvez o que ela tenha não seja nada para ninguém, mas é muito para ela e essa é a Linda. Melinda é uma protagonista que, sinceramente, qualquer leitor vai amá-la. Mesmo apaixonada, Linda tem a sua vida e isso é maravilhoso, em momento algum ela se coloca abaixo de Robert por ser mulher ou por ter vindo de um orfanato. Ela tem suas inseguranças, mas mesmo assim, ela é naturalmente ela mesmo e tudo bem. Se alguém gostar dela, vai ser pelo o que ela é de verdade e não pelo o que ela tenta ser.
"Não esperava, no entanto, que Robert me quisesse ao seu lado por muito tempo, mas eu iria aproveitar enquanto ele me quisesse por perto. No fim de tudo, eu ainda teria as lembranças, e isso seria melhor do que nada."
No primeiro momento achei que eu não fosse gostar do Robert, e consequentemente me desanimar com a história, porque como vocês já leram várias vezes aqui, tenho um sério problemas com os protagonistas de uma história, principalmente o homem do romance, porque alguns escritores se perdem naquela necessidade de criar o personagem perfeito, criar o homem que todas as leitoras desejariam ter. Então, só o que posso dizer é: Evelyn Santana é uma escritora tão sensacional que realmente conseguiu me fazer amar todos os personagens de sua história, principalmente o Robert e fazia um tempo considerável que isso não acontecia com as minhas últimas leituras. Robert, é realmente lindo, é rico e é o sonho de muitas mulheres, porém a escritora consegue deixar claro que ele não é perfeito. Ele nem sempre vai dizer a coisa certa na hora certa, ele não vai acertar tudo e ele pode muito bem errar. Pode fazer escolha erradas. Mesmo que ele comece a se aproximar de Linda por causa do testamento de seu pai, a escritora consegue entrar em um meio termo onde ele não é perfeito, mas não é um total canalha. Para começar, ele também teve uma infância complicada de uma forma diferente da de Linda, mas ainda assim foi traumatizante e resulta no que ele é hoje, não que justifique as atitudes dele, porque como disse ele não é tão perfeito para ser só mais uma vítima do destino, ele toma suas próprias decisões e consequentemente tem que arcar com suas consequências. O que quero dizer é que a autora conseguiu trazer seus personagens com realidade, verdade e principalmente como humanos e então ela consegue fazer o leitor se conectar com a história e com seus personagens.
"No fundo,ele só precisa de alguém que se importe com o menino que ele foi um dia. E você é esse alguém, Linda."
Doce Amargo é aquele romance que realmente te tira o fôlego. É aquele romance em que você acompanha a história dos protagonistas como se fosse sua e fica ávida por cada vez mais... por mais e mais capítulos. Você deseja que eles fiquem juntos e depois sofre imaginando o que pode acontecer porque sua memória vai sempre estar pensando na história deste livro tão surpreendente.
Primeiramente, eu sempre gosto de falar da escrita do escritor porque ela é a base de tudo e se não for boa, não tem como a história ser boa. A escrita desta autora é completamente surpreendente. Ela tem uma escrita leve mas bem, como posso dizer, articulada e muito bem desenvolvida e estruturada.
O romance entre os protagonistas não é algo que precise acontecer logo no início e isto é encantador, porque ela vai desenvolvendo tudo com calma. Um ponto muito interessante da escrita da Evelyn é como ela trouxe o personagem Robert para a história. Robert se interessa por Linda por ela não ser o que o seu pai aprovaria, mas mesmo assim, durante aquela busca para conquistá-la, é como se ele se esquecesse do testamento e só estivesse feliz por estar conhecendo uma pessoa que pode ver algo de bom nele, que pode tirar coisas boas dele. É claro, a história não é um clichê onde ele se apaixona perdidamente no primeiro instante, e isto é o melhor, porque a escritora foi criando degrau por degrau do romance. No final, é possível listar todos os motivos sentimentais para estarem juntos, ao mesmo tempo que não porque Doce Amargo é um romance de deixar qualquer um sem palavras.
"Linda havia sido feita para um homem que pudesse amá-la sem reservas e dar a ela toda a felicidade que merecia. Eu sabia que nem mesmo em outra vida ela poderia ter sido feita para mim, e a constatação não era nem um pouco agradável."
Um detalhe muito importante que me fez amar tanto esta história é que a Evelyn não se perde naquele esteriótipo de romances onde o leitor vê que indiretamente ou até diretamente está romantizando o homem maltratar a mulher e colocar a mocinha como a submissa indefesa só por ser uma mulher. Isso é o melhor. Evelyn foge disso. É claro que Robert e Linda vieram de mundos diferentes e são de classes sociais completamente oposta, porém isso nunca foi motivo para ela se sentir inferior e tudo bem, entendem? Robert comete erros, mas em momento algum temos uma cena onde ele tem que ser o "homem" da história que manda na relação ou coisa do tipo. Outro ponto interessante que se interliga com o que acabei de falar é que não é como se Robert tivesse tentando impressioná-la com seu dinheiro. Não tem aquela coisa de dar todos os presentes do mundo, de levar para passeios ou viagens que seria impossível que ela conseguisse fazer com o próprio dinheiro. Por isso digo que o romance é bem construído, não é necessário que um se impõe sobre o outro, não é preciso impressionar o outro pelo o que ele tem. Tudo acontece naturalmente.
"Desejar Linda mais do que tudo não foi uma escolha consciente, e sim um regalo, que, como tudo na vida, cobraria seu preço. Cedo ou tarde.
Doce Amargo é um livro que te prende do início ao fim, sem a menor dúvida. Por mais que seja um romance, a história é permeada por um segredo que pode arruinar tudo e o leitor fica tão conectado com a leitura que não consegue deixar de ficar apreensivo e ansioso para o que vai acontecer no próximo capítulo.
Doce Amargo trás muito a questão do amor. O quanto você pode se dedicar para alguém? Até quando você conseguirá dar amor e talvez não recebê-lo de volta? Até quando você vai se sentir preso em si mesmo, afastando os outros e negando sua própria felicidade enquanto o amor lhe oferta o melhor abraço do mundo? E essas questões não se desenvolvem só entre o romance dos protagonistas, porque os personagens coadjuvantes são completamente maravilhosos, apaixonantes e importantes para a história, afinal, também são a representação do amor entre amigos e a família.
"Você só precisa saber que, do mesmo modo que ninguém lutou por você quando era apenas uma menina, ninguém lutou por aquele homem quando ele ainda não era a pessoa bem-sucedida que você conhece."
Eu preciso falar sobre o final do livro, porque, verdadeiramente, não consigo parar de pensar em tudo o que aconteceu no final de Doce Amargo. Este livro é aquele que você cria mil e uma teorias de como tudo vai terminar e você pode até acertar, mas quando você estiver lendo realmente o final, vai ser impossível não se surpreender. E sinceramente, foi impossível não me emocionar, quando vi, já estava com os olhos lacrimejando e não conseguia parar de ler por um só segundo. Doce Amargo é aquele livro que quando termina de ler, deseja já ter a continuação para começar a ler no segundo seguinte. Espero que a escritora publique logo a continuação desta história tão magnífica.
"Havia amor o bastante dentro de mim, por nós dois. Mas não se pode amar por dois, não quando se trata de um casamento, onde amor e respeito precisam brotar dos dois dois lados. Eu via isso agora e me perguntava como pude ser tão ingênua."
Doce Amargo é doce e é amargo. Em uma história permeada pela verdade, realidade e humanidade de seus personagens, esta história consegue levar o leitor para seu mundo e será impossível largar o livro por um só momento, porque você ainda estará naquela história e não irá se permitir parar de pensar nela por um só segundo. Com personagens fortes, Doce Amargo te levará para esta história que aparentemente é só um romance, mas que na realidade é tudo de mais maravilhoso, e contém uma verdade tão surpreendente que qualquer um vai se sentir parte daquilo, vai perceber que algum daqueles sentimentos e daquelas atitudes combinam com as suas.

Doce Amargo é uma história completamente baseada em sentimentos, atitudes e escolhas, afinal, por mais que não pareça, um está interligado com o outro. Você faz uma escolha, toma uma atitude e tudo isso porque seus sentimentos dominam você. Este livro é isto. É aquela história que vai lhe fazer pensar sobre a importância de uma família, de amigos, de um lar e principalmente sobre a importância do amor, porque mesmo que tentemos ir contra, somos movidos por este sentimento e infelizmente ele trás tristezas da mesma forma que trás alegrias, porque ele pode deixar tudo maravilhosamente doce ao mesmo tempo em que deixa tudo terrivelmente amargo.
"O nosso coração é o que temos de mais precioso pra oferecer pra alguém. Eu te entreguei o meu sem exigir nada em troca e você brincou com ele enquanto eu dizia te amar. Isso machuca demais, de um jeito que eu sei que você jamais vai ser capaz de sentir, porque você não tem um coração."
Adquira
Mostrar Comentários
Ocultar Comentários

10 comentários:

  1. Oi! Uau, que empolgação rsrs estou com doce amargo em minha estante só esperando para ser lido e não irá demorar. Quero conhecer a história de Melinda e Robert e saber o desenrolar desse romance. Bjos ❤

    Click Literário

    ResponderExcluir
  2. Oi sua lidna, tudo bem?
    Essa capa é muito amor, super romântica, a minha cara. Eu fico chocada com atitudes como a do pai dele, porque eu sei que são reaisi, existem pessoas assim, que fazem extamente a mesma coisa que esse pai fez. E são essas pessoas que destroem as outras. Não gosto do caminho que ela parece trilhar, não sei o que de errado ele irá fazer. Por isso mesmo, acho que são perfeitos um para o outro. Acho que tudo o que ambos sempre quiseram foi alguém que os amasse. Acho histórias assim lindas e sempre fico emocinada. Não vejo a hora de ler. Adorei sua resenha!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Eu amei a capa desse livro e leria só por ela hehe. Achei a história bem interessante e quando comecei a ler a resenha achei que o final fosse se clichê, mas que bom que surpreendeu. Vou anotar a dica para uma futura leitura.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Adoro resenhas bem explicadinhas e grandes. Nunca ouvi falar nesse livro, mas, me interessei nele. Já vou procurar para comprar. Sucesso para o seu blog e estou seguindo essa maravilha. <3

    sinopsedoslivrosjenni.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Guria do céu. Que resenha foi essa? É tão raro uma leitura nos agradar em tudo. Estou aqui morrendo de curiosidade pra ler e saber como a leitura te causou tudo isso. Vou procurar para ler em breve.

    Super beijo
    Resenhando por Marina

    ResponderExcluir
  6. Oi
    nem conhecia esse livro, mas por tudo que falou na resenha e ainda ficou com dificuldade para escrever, me deixou curiosa ainda mais porque curto esse tipo de história, muito boa sua resenha.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. NECESSITO LER!
    Eu já amo romances e esses que nos tiram o fôlego são os melhores.
    Baseado em escolhas e consequências... Ai meu coração!
    Quero para ontem.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Eu acho esse livro muito lindo, adoro a história dele.
    A sua resenha ficou ótima, parabéns pelo o blog.

    Beijos :**

    Literatura Por Amor

    ResponderExcluir
  9. Eu vou falir!
    Mas vou falir feliz! Que resenha! Deixou com muita vontade de conhecer essa história!

    Beijinhos!
    Luar de Livros

    ResponderExcluir
  10. Esse livro é maravilhoso, um dos meus nacionais favoritos <3

    ResponderExcluir