RESENHA | O Trio – Alane Brito

Livro: O Trio
Autora: Alane Brito
Editora: Novo Século
Páginas: 512
Davi ainda precisou de uns instantes para organizar mentalmente o enredo da história... De fato, para ele mesmo, seria muito bom expor suas lembranças e assim, após tantos anos, alguém mais saberia quão especial ele considerava ter sido a sua infância..." Davi achava que seus piores problemas seriam dividir o forte sentimento que ele e seus dois amigos, Nelson e Jordan, nutriam pela mesma menina e tentar tornar a conturbada vida de um deles menos sofrida. Até que ao completarem dezoito anos a pequena vila no meio do nada onde moravam é invadida por homens violentos. É quando começa o maior desafio de suas vidas... Davi e Nelson conseguem fugir com mais alguns e, após se deparar com o sofrimento do amigo, Davi sente-se obrigado a retornar ao palco do grande massacre para resgatar Jordan. Para levarem ajuda aos outros sobreviventes que estão aprisionados, os três terão que juntar forças com seus desafetos, a fazer difíceis escolhas, e acabam descobrindo que, no fundo de suas almas, guardam uma grande garra e coragem jamais experimentados por nenhum deles...
Existem erros tão graves que jamais possam ser perdoados? Abriria mão de um verdadeiro amor por causa de uma grande amizade?
Descubra nessa história que é uma grande lição de amor, amizade e perdão...
Em 1956, Davi Guerrato está de volta a Valentino Duarte, mas não sabe se realmente irá mesmo visitar a vila que tanto adorava, mas que também foi o palco de uma guerra. Dez anos depois, Davi não tem certeza se vai querer visitar aquele lugar, provavelmente não, mas estava ali para cumprir uma promessa, mesmo que ela não tivesse mais sentido, só que ele não conseguia reprimir em si as lembranças que o rodeavam e quando conheceu o garoto, Martin, que lhe perguntou o que realmente tinha acontecido naquela vila anos atrás, ele se permitiu lembrar. Lembrar-se com detalhes e então começou a contar para o menino.
Davi era um adolescente que cresceu ao lado de seus amigos, Jordan e Nelson. Eles eram realmente um trio. Tudo era muito perfeito com a vida comum e cotidiana em Valentino Duarte e o único problema daqueles garotos parecia ser a paixão pela mesma garota: Yola. Mas, de repente, um dia, tudo passou a mudar. Foi encontrado no quarto de Jordan, vários pertences dos outros moradores da vila e a partir daquele dia, Davi viu o amigo passar a ser chamado de Leproso. Davi ainda acreditava na inocência do amigo, já que o mesmo jurava que não tinha roubado nada. Porém, colocando tudo a prova, não fora só isto que aconteceu: Estragaram as plantações tão maravilhosas daquele ano e a única prova que tinham acusavam Jordan. Colocaram fogo nas carroças e Jordan estava no local e na hora exata, portanto, a culpa era dela, até que então aconteceu a tragédia. A tragédia que levou muitos a morte e levou Jordan a ter uma sentença. Como não aceitavam a pena de morte, Jordan foi literalmente exilado daquela sociedade, as pessoas não conversavam com ele, não podia trabalhar ou fazer parte das festas. E mesmo com tudo isto acontecendo, Jordan jurava que não tinha cometido crime nenhum, mas naquele momento, talvez nem Nelson e nem Davi acreditassem nele.
Em meio a esses acontecimento, Davi sonhava com a linda Yola e tinha medo de que os amigos ainda estivessem dispostos a lutar pelo amor dela, porém, com a chegada dos novos moradores, Jordan se encantou pela maravilhosa Leonor. Linda, ela também demonstrava interesse por ele, mas como todos os acusavam de ser realmente um leproso, ela tentava esconder estes sentimentos, mostrando a Jordan que ele nunca teria uma chance. Mas isto não importava para Davi, afinal, a partir daquele dia, Jordan nunca mais sequer falou da Yola, o que o deixava feliz, afinal, agora só tinha Nelson nesta disputas. Os dois melhores amigos apaixonados pela mesma garota. Será que algum deles seria capaz de desistir em nome da amizade ou a amizade estava em segundo plano quando se falava da paixão por Yola?
Após tantos acontecimentos, um dia, Jordan descobre que os "Selvagens" iriam invadir Valentino Duarte para tomar as terras, fazer dos que sobrevivessem escravos e as mulheres seriam deles. Davi viu quando Jordan avisou a todos, mas ninguém deu ouvidos ao exilado que tanto lhes faziam mal. Porém, Jordan não estava mentindo e quando os "Selvagens" invadiram a vila, já era tarde demais para fugirem, mas Davi que tinha ouvido o plano de Nícolas, conseguiu fugir. Ele, Nelson, Nícolas, Yola e Leonor, mas Jordan não tinha conseguido. Davi volta para resgatar o amigo e isso torna a fuga deles mais lenta e perigosa.
Nesta fuga que tem tudo para dar errado, segredos serão revelados, a verdade será exposta, a paixão sucumbirá alguns, o medo tomará conta de outros, mas acima de tudo, precisarão pedir perdão e principalmente, precisarão aprender a perdoar uns aos outros, porque se não, a fuga que já está quase os levando a morte, farão com que um possa odiar e até entregar o outro para a morte.
Desde o primeiro livro que li da Alane Brito, eu estava muito ansiosa para conhecer mais das obras da autora. Minhas expectativas estavam extremamente altas com a autora, mas tive receio de ler O Trio e me decepcionar porque ele parecia vir com uma narrativa e um enredo completamente oposto do que eu tinha lido da autora e juro eu não queria me decepcionar, mas então, nesta semana que fui viajar, resolvi levar o livro e começar a lê-lo. Bom, o que posso dizer é que eu lia a noite toda e no outro dia, não conseguia sair para lugar nenhum, porque precisava dormir. Eu não sei como, mas Alane Brito conseguiu superar as minhas expectativas e como já falei, estou apaixonada pela escrita dela. O Trio te prende desde o primeiro capítulo até a última folha e será impossível não ler novamente os seus trechos preferidos.
"... Me pego pensando na possibilidade do hoje ser o meu último e fico analisando tudo o que fiz em minha vida, se fui somente um mero detalhe, um cisco imprestável no mundo. Não sou uma pessoa tão má assim. Errei muito, é claro, mas aprendi com isso."
No primeiro momento, como temos Davi narrando, imaginamos que ele será o protagonista de tudo, mas como o próprio personagem diz, por mais que seja tudo a partir do ponto de vista dele, o nosso real protagonista, acaba sendo o Jordan, mas por fim, o trio – Davi, Jordan e Nelson – é a parte principal do livro.
Mais uma vez, Alane Brito nos traz muitos personagens e não vou me dedicar a falar de todos, porque alguns precisam de mais destaque e sem dúvida alguma, o que posso falar de todos é que eles são reais. Comentem erros, acertos, tem qualidades e defeitos, se divertem, brigam, aprendem constantemente e isto torna a história muito real, porque de alguma forma, o leitor se identifica. Quando a história traz um vilão, propriamente dito, me incômoda, mas não quero dizer que eu não acredito que existam pessoas ruins, porque elas existem, mas ainda são pessoas. A escritora trouxe personagens em que por mais que sofram, preferem esperar que um dia tudo se resolva, não se deixam dominar pela raiva, pelo ódio, pela inveja ou qualquer coisa, mas tem alguns que são dominados por estes sentimentos e a autora consegue desenvolvê-los, mostrando todas as suas facetas, até onde a sua raiva, a sua inveja ou qualquer coisa é capaz de levá-lo e claro, nos mostrando a consequência de tudo isso.
"Não pude deixar de temer. Percebi que nada poderia acontecer do modo como eu havia planejado. Meu destino não seria controlado por mim.
Davi que é o nosso narrador, mostra-se desde o início um amigo fiel, mas às vezes, vemos que talvez algumas coisas sejam mais importantes para ele, mesmo que talvez isto fique só em seus pensamentos. Quando ele deseja que os amigos se apaixonem por outras pessoas, para ele ficar com a Yola, mesmo que sejam pensamentos justificáveis por causa da sua paixão, podemos ver um pouco de egoísmo nele, mas é inegável que ele é um ótimo amigo, mas às vezes é corrompido pela dúvida como qualquer outro ser humano. Nelson é um personagem que no início não parece ter tanto destaque, sendo talvez o menos querido do trio, mas então ele surpreende. Surpreende tanto pelo lado positivo quanto negativo. Eu gostava do personagem, acho que quando ele se permitir sentir, assumir certas coisas, vemos tantos os erros quanto os acertos e é interessante o desenvolvimento dele na história. Já disse que Jordan é o verdadeiro protagonista desta história e é o protagonista que conquistará o coração de todo leitor. Ele traz uma dúvida para a história que confunde e encanta o leitor. Já começamos a história conhecendo o Jordan que as pessoas chamam de leproso, mas conseguimos ver a bondade que reina nele, contudo, é muito conflituoso porque algumas vezes realmente pareça ser ele o causador de tanta coisa ruim. A escritora consegue, acredito eu, dividir os leitores, entre os que tem certeza de que ele é capaz de tudo aquilo e os que ainda acreditam que não. Eu não acreditava e morria de medo de ter sido ele e o que posso dizer é que o final é de deixar qualquer um de boca aberta.
"Éramos os três sempre e depois que Jordan fosse embora provavelmente não seríamos nunca mais... Como é que pode?"
Não fazendo parte do trio, mas muito importante para a história, temos Nícolas que aos olhos de qualquer um não é bonzinho como os cidadãos de Valentino Duarte acredita ser. Como falei, a autora não traz um vilão e sim uma pessoa que talvez possa ser dominada por um sentimento não tão bom, como é o Nícolas. Ele também vem para causar dúvida, afinal pode ser ele o autor de tantos crimes só para incriminar Jordan, mas então quando a tragédia acontece, ele também é afetado e isso acaba confundindo os leitores que viram a página a procura da verdade.
Yola é a primeira menina que aparece na história e preciso dizer que gostava mais dela no início da história do que no fim. Ela tem uma coisa mais fútil por ser uma das mais bonitas e muitas vezes parecia querer só causar confusão entre o trio de amigos, mas tem suas partes boas e um ponto que gostei é que ela é muito levada por sentimentos. Ana Kamel é uma das minhas personagens favoritas, que com poucas cenas e logo na primeira aparição já encanta a todos. Seu jeito de querer conquistar o que deseja me fez sorrir. Ela é simples e traz uma simplicidade fascinante para a história. Enfim, chegamos a minha personagem favorita: Leonor. Desde a primeira cena, a menina tímida se mostra não tão conduzida pelas opiniões alheias, mesmo que talvez não pudesse mostrar isto e então nós vemos uma personagem humana, verdadeira, bonita por dentro e por fora e apaixonante. Ela traz paixão para a história. Traz a entrega de talvez não estar certa, mas ainda assim lutar pelo que acredita. 
"Então era isso. Ali parecia que nós três seríamos apenas mais uma boa recordação que, numa conversa, em um momento qualquer de minha vida, eu me lembraria como se pudesse, como se desejasse de todo meu coração, voltar no tempo."
Como falei no início, este livro é bem diferente do outro livro que li da autora e ela provou que consegue se desenvolver em cada gênero, narrativa ou enredo. E isso surpreende muito o leitor porque por serem tão diferentes, não sabemos o que esperar realmente. Agora, algo que me surpreendeu muito é que pela quantidade de páginas, eu realmente achei que teríamos muitas cenas sem importância, só para aumentar o tamanho do livro e tudo mais, mas, provando o contrário, não tem nada neste livro que não tenha um porquê, tudo é muito importante e mesmo sendo mais de 500 páginas, a história flui tão bem que o leitor percebe a quantidade ao ler, muito pelo contrário, assim como eu, muitos vão querer que tivesse mais, que tivesse mais cenas, mais páginas ou quem sabe outro livro. Como já tinha muitas expectativas e esperava muito da história, o que mais me surpreendeu foi essa fluidez que a história tem.
"Em dias tristes, olhe para o céu
Em dias tristes, admire as flores
Esqueça as dores
E tente sorrir
[...]"
Queria conseguir escrever uma resenha breve, mas como podem ver, não consegui e tenho certeza de que para falar deste livro, nunca será breve. A história tem tanto para agregar que é impossível passar para o outro tudo o que ela te faz sentir, ainda mais com poucas palavras.
Estava receosa quanto ao final porque tínhamos nesta história uma guerra muito importante, então acreditava que muitos dos que eu gostava poderiam morrer e sem querer dar spoiler, as lágrimas vão correr pelos seus olhos. Você vai sorrir, mas vai chorar, talvez de tristeza, de felicidade, vai muito de cada um, mas sem dúvida alguma, Alane Brito surpreende do início ao fim e permite que as emoções e as sensações alcance e leitor e os proporcionem os mais variados sentimentos.
"Ao aceitar esse amor entreguei-me a um destino impreciso, desarmei-me e fui só sentimento, arrisquei-me a não ser correspondida, tive esperanças em meio a tormentos, me dividi, privei-me de outros amores, sofri, angustiei-me, mesmo assim não gostaria de ter vivido sem a experiência de sentir isso por você..."
O Trio é um livro sobre amizades e perdão. Sobre paixões e perdão. Sobre a vida e o perdão. Pedir perdão e perdoar é tão importante porque sem ele, não teremos amizades, paixões e nem uma vida que mereça realmente ser vivida. Com detalhes, esta história que fala diretamente com o leitor permite que a verdade seja vista, permite que cada um deseje pedir perdão e perdoar. Faz qualquer um lembrar de seus amigos e de suas paixões. O leitor se perguntará quais sentimentos o dominam e será que talvez não seja melhor trabalhar para que isto mude? O que seu sentimentos estão lhe levando a fazer? Plante amor, carinho, amizade e acima de tudo, plante o perdão. Perdoar aquele que lhe tanto fez mal é a melhor resposta que se pode dar, afinal, você pode escolher o que vai ser. Seu destino pode lhe dar opções, mas quem escolhe é você e o Trio realmente mostra isto para cada leitor.
"Nada acontece em vão realmente. Sofrimentos, alegrias, decepções, tudo tem um sentido, e cabe a nós tentar compreender o que está nos ensinando."
Adquira

13 comentários:

  1. Mais uma vez, sua resenha está simplesmente P.E.R.F.E.I.T.A.. Sua maneira de escrever é uma delícia de acompanhar, Gabi! Você já escreveu algum livro? Se não, já passou da hora de começar, porque sabe muito bem como usar as palavras. Estou muito encantada, de verdade. Você tem um dom especial. Parabéns por mais uma resenha espetacular!!! Obrigada pelos elogios, obrigada por ter lido mais um dos meus livros!! É uma honra para mim!

    Beijos!!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Gabi!
    Sei bem como é essa sensação de virar a noite lendo um livro e no outro não prestar pra nada hahahahhaha Bom saber que essa história te prende assim.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio de aniversário do Balaio de Babados e O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Que bom que você gostou da leitura e que o livro conseguiu te prender hahah. Pela premissa dele, não fiquei tão interessada assim, pra falar a verdade..
    Beijos,
    Meise Renata.
    viciadas-em-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, Gabi. Eu fiquei também receosa ao ler a sinopse porque achei que fosse um livro totalmente de época, e bem chato. Mas na verdade me surpreendi ao ler sua resenha. Com certeza parece ser uma história apaixonante. Nunca li nada da autora mas adoraria conhecer as obras dela.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi, td bem?
    Não conhecia o livro e fiquei com vontade de ler, principalmente por tratar de amizade!
    Adorei a resenha!
    Beijos
    www.somosvisiveiseinfinitos.com.br
    Vídeo novo: https://www.youtube.com/watch?v=HmYR72SEs6I&t=1s

    ResponderExcluir
  6. Nossa! Que super resenha. É bom quando um livro supera nossas expectativas né? Eu ainda não conhecia a autora nem essa obra, achei bem interessante e já quero ler. Dica anotada!

    Beijos :*

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oie
    Este foi o único livro que eu li da autora e eu curti muito, quero ler outros dela.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Gabi,
    Tudo?
    Não conhecia a autora nem a história fiquei feliz ao saber que ela te agradou tanto. Parece ser uma história bem emocionante mesmo, principalmente por trazer um tema tão importante como o "perdão" e como é difícil as pessoas perdoarem as outras. Também pelo que percebi a autora brinca também com o tema da "amizade" e eles parecem ser amigos bem fiéis e ligados certo? Uma coisa me incomodou o cara roubou uma coisa e ficou sendo chamado de "leproso"? Nossa isso soou estranho para mim,mas enfim. Gostei da dica e parabéns pela resenha.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/2017/09/cinekriativa-it-coisa.html

    ResponderExcluir
  9. Olá, Gabi.
    Parabéns pela resenha. Eu já conhecia esse livro de outros blogs e as opiniões das resenhas foram mais ou menos parecidas com a sua. Por isso tenho bastante vontade de ler e conhecer a escrita da autora. Eu gosto quando tem esses personagens que são reais. As vezes até achamos um ou outro defeito, mas dai percebemos que na vida real é assim. Se der eu vou ler.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  10. Oi
    essa sua resenha chamou minha atenção para a leitura, parece ser uma obra que vale a pena e diferente. Gosto de histórias que envolvem perdão e amizades. Gostei de conhecer a história.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Gabi,
    Que resenha intensa, né? Você caprichou!
    Fiquei com vontade de ler a obra e olha que eu nem a conhecia.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi Gabi! Eu não conheço a autora, mas ela parece ser bem versátil, sabendo escrever sobre diferentes gêneros. Muito bom quando o autor supera nossas expectativas e eu simplesmente amei sua resenha, a gente termina com vontade de ler o livro <3 Parabéns!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  13. Comecei a ler sua resenha e de repente já parecia que eu estava lendo o livro e fiquei bem desapontada por não ter o final aqui... hahaha
    Achei a história promissora, fiquei interessada em conhecer mais sobre esses amigos e que fim levou a fuga deles e claro se Jordam é inocente ou não.. (torcendo para que sim... ) já vi que é daqueles livros que nos faz refletir sobre tudo na vida e você diz que faz chorar, meu Deus quero para ontem.
    Sua resenha esta maravilhosa, me convenceu e eu já quero ler essa história! Amei seu blog, ele é lindo!

    Beijos
    Dani Cruz
    blogemcomum.com.br

    ResponderExcluir