RESENHA | Vinte e Duas Cartas – Renata S Tourinho

Livro: Vinte e Duas Cartas
Autora: Renata S Tourinho
Editora: Chiado
Páginas: 380
Após uma separação e algumas reviravoltas em sua vida, Tilda parte em uma viagem pela Europa na companhia de seu amigo Vincent para tentar decifrar um mistério de seu passado. Em sua busca, o enigma parece aumentar enquanto ela vive uma verdadeira viagem interior.
Junte-se a Tilda em um conto de fadas adulto, contemporâneo, bem-humorado e provocante. Siga sua jornada intensa e delicada, permeada por passagens históricas, leves fantasias, pequenas doses de ficção científica e...
“Encontre-o."
Tilda é uma mulher adulta, com filhos já adolescentes e que passou por um divórcio amigável. É uma mulher comum. É só mais uma vida comum. No entanto, algo sempre esteve presente consigo: a bússola que tinha ganhado do "pirata" que chamava a sua atenção. Quando ganhou aquela bússola de presente, Tilda só ouviu ele dizer: "encontre-o". Não sabia o que ou quem tinha que encontrar e muito menos sabia como. Depois de anos, Tilda finalmente resolve tentar entender o que a aquela bússola com símbolos estranhos significa e quem sabe, assim poderia encontrar o que lhe foi designado para encontrar.
Ao lado de um amigo que lhe desperta interesse, Tilda viaja pela Europa em buscas de pistas, pessoas e respostas que vão lhe ajudar nesta jornada. No entanto, a busca da Tilda não se resumia somente a isso. Era algo maior. Algo que ela ainda não entendia, mas que precisa compreender. Tilda buscava por si mesma.
Sendo o segundo livro da autora que leio, podemos ver uma distância gritante entre um livro e outro, pois, agora ela sai de um conteúdo mais infantil para algo mais adulto e talvez, posso dizer, intelectual. Nesta história, temos nossa protagonista, Tilda, uma mulher adulta que por um momento deixa sua vida de lado para buscar algo que a acompanha sempre. De verdade, a protagonista nos chama atenção, porém é notório que faltou uma base maior para a personagem. Temos uma protagonista interessante, mas que poderia ser melhor explorada. O leitor se familiarizaria melhor com Tilda se conseguíssemos senti-la mais. O que quero dizer é que temos uma mulher adulta, uma mãe e muita vezes o leitor se esquece disso. A protagonista não consegue nos passar um lado mãe e muitas vezes parece uma adolescente, não uma adulta e, justamente isso, nos atrapalha a ter uma personagem mais completa. No entanto, é muito claro os sentimentos e as emoções da personagem, algo que gostei. Entendemos aquela busca interna que ela tem consigo mesma e isso é muito interessante para a história.
Nós passamos por diversos personagens que são extremamente importantes para a história, porém, é difícil falar sobre eles sem acabar contando algo importante da história, pois eles estão ligados à história de Tilda e não temos histórias paralelas.
"Nós somos todos frutos de uma mesma criação. Somos todos feitos da mesma poeira de que são feitas as estrelas. Nós não simplesmente estamos no universo, nós somos o universo, fazemos parte dele."  
Renata nos apresenta um enredo extremamente interessante e isso faz o leitor iniciar a leitura curioso com a narrativa. Porém, o romance que envolve a história acaba sendo um pouco maçante porque, pelo menos para mim, foi bem clichê. É no romance e na força dos sentimentos entre os personagens que o leitor sente um pouco a falta do lado mais adulto da personagem e também do lado mãe, porque muitas vezes nos perguntamos como ela pode não estar pensando nos filhos.
No entanto, para quem já leu, talvez tenha percebido que este é um ponto negativo que a autora consegue trabalhar ao decorrer da história porque depois conseguimos sentir mais todas as vertentes da personagem e não só o inalcançável romance.
"Nossa passagem aqui na Terra, ainda que efêmera, é também eterna, pois fazemos parte de todo esse movimento de recriação, do ato contínuo da crianção do universo."   
Por esses pontos que ressaltei logo no início, me desanimei um pouco com a história, contudo, quase da metade para o fim, eu li a história toda em uma noite só, pois finalmente estava vendo o enredo fluir. É quando finalmente conseguimos entender muitos detalhes da história. Tilda foca muito em encontrar significado para a bússola, para seus sonhos e tudo mais, todavia, dentro de si, ela sabe que busca propósito para si mesma e, no meu ponto de vista, este é um dos propósitos da história. Fazendo perguntas para si mesma, como: "Quem sou?" "O que estou fazendo?" e muitas outras, Tilda cria uma identificação com o leitor porque esses questionamentos e a busca por entendimento e propósito rege a vida humana. A autora consegue nos mostrar a dualidade de estar mostrando uma busca mais palpável, mais concreta, ao mesmo tempo em que temos um busca interna.
"Mais importante do que chegar ao final de uma busca, é o que você pode aprender com ela. O final da trajetória não é mais relevante do que a própria." 
Algo que é extremamente perceptível em cada palavra desta história é o quão dedicada é a escritora. Renata nos mostra um estudo e um conhecimento do que está nos falando e, muitas vezes, por trazer muitas curiosidades em seu livo, eu pesquisei na internet para saber mais e a forma como ela nos apresenta isso, além de verdadeira, é simples o suficiente para qualquer pessoa entender.
É justamente por essa dedicação que conseguimos ver a importância da história neste livro. Trabalhando diretamente com o passado da protagonista, a autora nos apresenta fatos históricos, sem ser entediante e, nos apresenta praticamente um guia turístico em detalhes e vai nos falando sobre a importância de tudo para a história da humanidade.
"É preciso tempo para ordenar pensamentos, energias e a vida prática. É preciso levantar a cabeça e reconstruir o seu mundo de uma nova forma, respeitando o fim de um ciclo e o início de outro."
Talvez só de já começar a ler a história você pense que ela se mistura muito com a religião e vou entender se ver isso. Mas, a verdade é que a autora nos traz em Vinte e Duas Cartas uma mistura. Uma mistura de fé, história e ciência. Talvez você ache que não se consiga mesclá-los em uma só história, entretanto, afirmo que Renata S Tourinho conseguiu. Além de não ser uma mistura que defende um desses estudos e condena o outro, a escritora consegue mostrar a importância que cada um deles pode ter na vida das pessoas, no mundo e, sem dúvida, é muito interessante como ela usa cada um deles para ir criando cada pedacinho de sua história.
"Como alguém pode dar tantos passos e retornar, sem mudanças, ao ponto de partida?"
Tendo vinte e dois capítulos, sendo cada um deles a representação de uma carta específica, finalmente chegamos ao fim desta história. E, mesmo o final não sendo algo de tirar o fôlego e tendo um romance óbvio, as revelações que esperávamos foi algo surpreendente. Imaginei muitas coisas sobre o final e não consegui acertar de forma alguma, o que me agradou bastante. É muito bom ver que fomos surpreendidos no final, porém, agora que sabemos, conseguimos ver pistas que a autora foi nos deixando. Acredito, sinceramente, que ninguém irá acertar o final e os segredos que tanto cercaram Tilda.
"Dentro das sombras, só, isolado,
Faço uma prece e estendo a mão.
Traga-me a luz, fique ao meu lado,
E liberta-me da escuridão."
Quis levantar os pontos que não gostei na história porque, além de ser verdadeira com meus seguidores, queria que vissem que ainda assim a história me surpreendeu, algo que no início achei que não fosse acontecer. Tem detalhes que me incomodaram, mas algo que afirmo é que a autora, novamente, conseguiu deixar claro as mensagens que desejava passar com esta história. Vinte e Duas Cartas fala sobre uma busca interna, sobre o fato de todos o seres humanos buscarem a mesma coisa: propósito. Porém, além disto, este livro nos mostra que mesmo tendo os lados ruins de se viver, temos todos os lados bons. Temos momentos de derrotas, mas temos momentos de conquistas. Temos tristezas, mas temos também a felicidade. Afinal, como saberíamos o que é paz se tivéssemos ela o tempo todo? 
"Precisamos acreditar em algo maior do que nós mesmos. Precisamos acreditar que alguém nos trará luz. Que alguém trará as respostas para todas as questões que nos afligem. Somos uma multidão solitária, longe de encontrar nossa própria essência, nosso própria iluminação. Então, a necessidade de acreditar em algo maior."
Adquira 

14 comentários:

  1. Oi, Gabi
    Eu não sei bem se leria o livro. A história não me interessou e a capa não é lá muito chamativa, some-se isso ao fato do desenvolvimento da personagem ser um pouco falho. Já estou de ressaca, fico com mais preguiça ao ver um livro assim. Vou passar a dica.
    Beijos
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Primeiramente, preciso dizer que adorei o layout do seu blog, é muito lindo!! *____*
    Segundo, sua resenha ficou ótima! Parabéns! Você soube criticar o livro ressaltando os pontos que gostou e não gostou e ainda assim me instigou a lê-lo.
    Terceiro, não conhecia essa obra. É a primeira resenha que leio a respeito dela e também não conheço a autora. Parece-me que este foi o primeiro livro com personagem adulta que ela escreveu, certo? Acho que autores que não estão acostumados a isso acabam "errando" um pouco na construção das personagens, mas que bom que a leitura foi prazerosa mesmo com os problemas que você citou.
    Bjs e mais uma vez, parabéns pela resenha! =)

    https://livrelendo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi Gabs, ao ler a sinopse eu esperava outro tipo de história, confesso. Achei pelo o que vc descreveu a protagonista bem interessante e entendo perfeitamente o ponto negativo da história e curto sua sinceridade. Não sei se leiria no momento, mas adorei a resenha mega completa.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Oi! Tudo bom?
    A história parece ser bastante interessante, mas confesso que por essa capa eu imaginava que o livro fosse ser bem diferente do que parece ser! Pelos seus elogios da obra, o livro até despertou meu interesse :) Os Delírios Literários de Lex

    ResponderExcluir
  5. Olá, Gabi.
    Quando vi a capa achei que fosse algo bem religioso. Achei legal você levantar os pontos negativos da história. Acredito que mesmo quando a gente ama o livro e a gente acha ele perfeito, ele tem defeitos. Eu acho que pelo menos no momento eu não leria ele. A história não me chamou tanto a atenção e é de um gênero que não sou muito fã.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia e parece ser muito bom. Adorei a premissa e os quotes são lindos!

    Beijos
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
  7. Oi Gabi,
    Não conhecia a obra e te confesso que se não fosse sua resenha, não daria bola para o livro, rs. A capa me lembra algo mais infantil.
    Mas gostei de você ter se surpreendido, mesmo com as problemáticas apontadas.
    Beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Gabi! Eu gostei bastante da sua resenha e confesso que fiquei curiosa pelo livro também. Apesar de conhecer a editora Chiado, nunca havia lido nada publicado por ela. Gostei da história, embora já tenha ficado um pouco com o pé atrás sabendo que tem um romance cliché e bem maçante no decorrer dela...
    Bjks!

    Mundinho da Hanna

    ResponderExcluir
  9. Olá, amei a resenha e fiquei muito curiosa para ler!
    Beijos!
    Little Moon

    ResponderExcluir
  10. Oie
    Gostei muito de sua resenha e mesmo com os pontos negativos fiquei curiosa. Isso também acontece comigo da leitura estar arrastada e de um dia para o outro eu terminar o livro.
    Que bom que apesar disso você curtiu o livro.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Oiii Gabi

    Eu não acho que seja meu tipo de livro, o gênero em si não me chama a atenção. Mas fico feliz quando o autor evolui ou se arrisca em sua escrita, legal poder comparar a escrita mais infantil da autora no primeiro livro e nesse um lado mais maduro, uma pena que o romance tenha caído no clichê, nem sempre isos é ruim, tem um monte de livro clichê que a gente ama, mas há outros casos onde fica bem maçante mesmo.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Gabi,

    Não conhecia o livro, achei interessante o crescimento de escrita da autora.
    Confesso que a história não me atraiu tanto no momento, eu até leria, mas não agora.
    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Oi, Gabi, tudo bem?

    Parabéns pela sinceridade. Eu também prefiro esmiuçar as minhas ressalvas para deixar claro as coisas que me incomodaram, pois assim meus leitores poder ver se aquilo os incomodaria também. Falar muito por cima é meio perigoso, pois leva a interpretações errôneas. Então gostei de você ter detalhado estes pontos.
    Eu, por exemplo, também me incomodaria com o fato da personagem muitas vezes não parecer uma mãe, de agir como uma adolescente. Mesmo que esse aspecto seja melhorado lá na frente é algo que com certeza me deixaria aborrecida.
    Não sei também se esse romance clichê me agradaria, não consigo enxergar um romance neste enredo, sabe? Acho que me interessaria mais se ele não estivesse presente. E também tenho algumas questões acerca desse modo de narrativa, através de cartas, não sei se curtiria...
    Mas essa busca da personagem, uma busca mais substancial ao meu ver, é algo que chamou minha atenção. :)
    Adorei a resenha! <3

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  14. Oi Gabi, tudo bem?

    Não me interesso por esse tipo de história, confesso que não tenho vontade de ler esse livro. A capa não me atraiu também.
    Não gostei, principalmente, da personagem principalmente agir como uma mulher, mas também como adolescente algumas vezes. Esse seria um ponto que me incomodaria bastante e eu preciso me sentir conectada com os personagens principais.

    Beijos
    http://espiraldelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir