RESENHA | Eu Perdi O Rumo – Gayle Forman

Livro: Eu Perdi O Rumo
Autora: Gayle Forman
Tradução: Mariana Serpa
Editora: Arqueiro
Páginas: 240
Freya perdeu a voz no meio das gravações de seu álbum de estreia. Harun planeja fugir de casa para encontrar o garoto que ama. Nathaniel acaba de chegar a Nova York com uma mochila, um plano elaborado em meio ao desespero e nada a perder. Os três se esbarram por acaso no Central Park e, ao longo de um único dia, lentamente revelam trechos do passado que não conseguiram enfrentar sozinhos. Juntos, eles começam a entender que a saída do lugar triste e escuro em que se acham pode estar no gesto de ajudar o próximo a descobrir o próprio caminho. Contado a partir de três perspectivas diferentes, o romance inédito de Gayle Forman aborda o poder da amizade e a audácia de ser fiel a si mesmo. Eu perdi o rumo marca a volta de Gayle aos livros jovens, que a consagraram internacionalmente, e traz a prosa elegante que seus fãs conhecem e amam.
Freya perdeu o rumo. Não de onde está, como sua mãe acha. Mas de si mesma. Perdeu a voz durante a gravação de álbum de estreia e mais que isso, perdeu seu pai, que um dia foi embora e nunca mais voltou. Perdeu a sua irmã que vai se casar e nem lhe contou. Harun perdeu o rumo. Perdeu o rumo quando seus sentimentos não podem ser expostos por causa de sua família tradicional. Perdeu o rumo quando amar um garoto o proibiu de ser ele mesmo. Nathaniel perdeu rumo. Literalmente perdido, Nathaniel não tem mais nada a perder porque tudo o que tinha já se perdeu.
Estes três jovens que estão perdidos na vida e em si mesmos acabam se encontrado por acaso e de uma forma totalmente inesperada. Em um dia que não estava sendo bom para nenhum deles, o acaso faz com que eles se encontrem e por motivos diferentes, passam aquele dia juntos. Totalmente desconhecidos e com problemas tão diferentes, eles ainda conseguem se reconhecer um no outro, pois ali pode ser o início de uma grande amizade que terá que ser forte o suficiente para aguentar a bagagem que cada um carrega dentro de si.
O mais recente lançamento da Gayle Forman, marca a sua volta para o público jovem. Depois de escrever Quando Eu Parti, um livro para um público adulto, ela nos apresentou o livro Eu Perdi O Rumo que volta a acompanhar a vida de personagens jovens. Preciso dizer, depois de ter livro Quando Eu Parti e ter amado ela com essa história mais madura, fiquei receosa e temi que Eu Perdi O Rumo não conseguisse representar o potencial desta escritora, porém, fico feliz em dizer que estava enganada. Eu Perdi O Rumo é um livro incrivelmente maravilhoso e que faz jus a esta escritória brilhante.
"– Não é triste ver tanta gente morrendo? – indaguei.
– Todos nós morremos – disse Hector, esfregando os punhos de Mary. – É a única certeza que temos na vida, e a única coisa que temos em comum com todo o resto do planeta."
Com três protagonistas, Gayle Forman consegue dar aos seus leitores uma história realmente envolvente porque consegue trazer três protagonistas muito bons, onde nenhum perde espaço para o outro e ambos são importantes.
Freya é uma protagonista que inicialmente parece típica de livros adolescentes, afinal uma jovem de classe média e cantora, porém, seu início já é perdendo a voz e além de mostrar a crueldade do mundo artístico, afinal se você não é bom hoje, pode nunca mais ter uma chance, ela nos mostra mais. O foco não é a só sua carreira, porque Freya já estava perdida bem antes disso. Estava perdida porque sua família se desmoronou. Seu pai foi embora e sua mãe que claramente prefere a filha mais velha, fica a pressionando e o pior de tudo, de alguma forma, a música e o afastamento de seu pai, fez sua irmã abandoná-la também. Freya é uma típica garota que mesmo parecendo ter a família perfeita, viu tudo se ruir a sua volta e isto continua acontecendo.
"É a esperança que faz doer."
Nós temos o Harun que nos traz já um conflito muito grande e que é um tema muito forte e envolvente para a trama, afinal ele é homossexual e vem de uma família muçulmana que leva suas tradições ao pé da letra. Justamente por não conseguir se assumir, ele acaba perdendo seu namorado que não pode continuar se relacionando com uma pessoa que não se assume. O Harun nos mostra esse lado do romance intenso e apaixonado em contraste com uma família preconceituosa e com isso, traz esse lado de que para alguém se assumir é muito mais difícil, não por causa do que estranhos vão dizer, mas porque sua família não é capaz de aceitar quem ele é de verdade.
"Os três podem ser perfeitos desconhecidos, com vidas diferentes e problemas diferentes, mas ali, naquele consultório, estão medindo a tristeza da mesma forma. Estão medindo em perdas."
Nathaniel é o personagem mais complexo para mim, porque inicialmente ele parece simples, vai caminhando aos poucos e sua história ainda parece confusa, mas então somos levados a assuntos tão sérios. Ele é um jovem que viu sua mãe ir embora porque não suportava mais o pai imaturo e que cresceu com esse pai que no início era legal em toda a sua estranheza, mas que de alguma isso o afetou. Agora Nathaniel que parece não enxergar muito bem está em Nova York, perdido, com fome e com mais nada a perder.
"Como vim parar aqui?, pergunta a si mesma outra vez. A resposta, porém, não importa. O que importa é que ela está ali." 
Como sempre falo, Gayle Forman é uma das minhas escritoras preferidas da vida, porém ela é também autora de um dos livros que menos gostei da minha vida, Apenas Um Dia, e quando soube que este novo livro iria ter a história se passando em um dia, assim como o outro, tive receio e realmente achei que não fosse gostar. Porém, em Eu Perdi O Rumo podemos ver que Gayle está lidando bem mais com a realidade. Ela tem personagens intensos e mesmo que tenha um romance, ela está focada na amizade e não em trazer um amor à primeira vista onde ficarão juntos para sempre. Todavia, mais que isso, é que além de mostrar a relação destes três durante o dia, ela foca muito em nos mostrar o passado desses personagens para entendê-los, então a história não é monótona em nenhum momento e podemos ver que tudo o que eles fazem em um dia, dá para ser realmente feito em um dia.
"Harun gostaria de dizer a Freya que James jamais deixaria de amá-la. Porém, se James pode deixar de amá-lo, como é que ele vai saber? O tempo todo, as pessoas deixam de amar umas às outras."
Falando resumidamente sobre a história, talvez não seja possível ver, mas este livro é uma história que vem para se falar sobre muitos assuntos sérios e importantes na nossa sociedade. É um livro que fala sobre diferentes culturas, como a muçulmana, um livro sobre homossexualidade e homofobia, um livro sobre depressão. Isso é importante ressaltar e é algo que me surpreendeu. Um dos nossos personagens tem depressão, está claramente nos mostrando isso, mas não vemos. Foi surpreendente para mim quando chegamos em uma parte da história e vemos o que realmente está acontecendo e isso foi incrível porque, baseado na realidade, quantas pessoas estão ao nosso lado, implorando ajuda, em estado depressivo e não conseguimos enxergar?
"Portar a perda de alguém é ser o guardião de seu amor. Compartilhar a perda de alguém é uma forma de dar o próprio amor."
Como podem ter reparado, de alguma forma, sempre que falamos de cada um dos protagonistas, falamos sobre suas famílias e isto é algo importante porque não sei se de forma proposital, Gayle Forman mostra a importância da família, mas também o quanto ela pode ser opressora, o quanto ela pode machucar seus membros, de formas diferentes. Infelizmente, muito idealizado, a realidade de muitas família é o quão inapropriadas e destrutivas elas são e muitas vezes, as maiores vítimas são as crianças e os jovens, mas o mais triste é que muitas vezes a sociedade vê isso, vê o quão destruída está sendo aquela criança e ninguém faz nada, nem a família, nem um indivíduo qualquer.
"– Um osso fraturado quando cicatriza, fica ainda mais forte do que antes. O mesmo vale para corações partidos." 
Uma resenha grande demais? Provavelmente. Mas ainda não é o suficiente. Não é e não será o suficiente, porque de forma simples, Gayle Forman, em sua história, nos faz pensar, nos faz enxergar e reavaliar o que acreditamos. É uma história real que fala sobre pessoas reais com problemas reais. É uma história que consegue terminar tão bem quanto começa.
Eu Perdi O Rumo fala sobre todas as pessoas, afinal todos podem perder o rumo em algum momento, mas nem sempre é possível encontrar o caminho novamente se estiver sozinho, por isso é importante ter sua família, seja a família convencional ou seja a família de amigos que a vida nos dá de presente.
"Porém, mais do que tudo, ele chora porque, durante o curso de um dia, vislumbrou a vida que nunca desfrutou, a vida que gostaria de ter desfrutado, a vida que não pode desfrutar por causa da vida que teve.
Ele não quer morrer. A questão nunca foi querer. Só que ele não pode mais ficar sozinho.
Já passou tempo demais sozinho." 

ADQUIRA


13 comentários:

  1. Olá!
    Nunca li nada dessa autora e não sei o motivo, acho que nunca tive vontade (infelizmente). Que resenha incrível, de verdade. Já vi esse livro por aí, mas nunca parei para ler a sinopse. Pelo que eu li aqui é um livro super importante nos dias de hoje pelos assuntos tratados. É bom quando um autor nos surpreende dessa forma, ainda mais quando já tivemos uma experiência um pouco negativa anteriormente. Com certeza irei dar uma chance para ele pois aborda assuntos delicados e do jeito que eu gosto. Excelente resenha, adorei!

    Beijos!
    our-constellations.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem?
    Ainda não conhecia esse livro, mas achei super interessante, sua resenha me fez querer ler haha!
    Beijos!
    Little Moon

    ResponderExcluir
  3. Oi, Gabs
    Você foi a única até então que me fez querer ler esse livro, porque eu só li um livro da Gayle e praticamente aboli os livros dela da minha vida de tão negativa que a experiência foi. Mas agora fico mais animada ao saber que é um livro adolescente com personagens cativantes. Já quero!

    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Estou ouvindo muitos elogios com essa obra. Parece uma história que mexe com o leitor.. quero muito ler!!

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Gabi,
    Minha primeira experiência com a Gayle não foi muito boa, então desanimei de ler os outros livros dela. Sei que preciso, mas sei lá, não consigo me empolgar!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá, Gabi.
    Eu já li algumas resenhas do livro e todas positivas. Se for olhar a história de cada um deles a impressão que dá é que não vai dar para contar tudo em um só livro e ainda mais em uma história que acontece em um dia. Mas que bom que a autora conseguiu. É um livro que está anotado aqui para uma futura leitura.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Oi Gabi!
    Parece ser uma história bem tocante e reflexiva! Eu ganhei o livro de cortesia mas ainda não consegui ler, vc ms deixou com vontade!
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Li uma resenha desse livro há alguns meses atrás e lembro que fiquei super animada para ler, acabei não anotando e me esqueci desse livro. Agora com a sua resenha ficou impossível não me animar ainda mais para conhece-lo. Dessa vez não o esquecerei!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  9. Oi, Gabi

    Eu tenho esse livro e provavelmente não vou ler porque é uma pegada que eu não gosto muito, provavelmente vou fazer um sorteio. Não é por nada especificamente, sabe? Sua resenha ficou maravilhosa, cheia de sentimentos, mas não me apego mais a histórias juvenis, vinha acontecendo de eu não gostar com cada vez mais frequência, por isso tenho evitado.
    Fico contente que essa tenha sido uma experiência diferente e melhor do que a leitura de Apenas Um Dia. Eu já li livros que se passam apenas neste período de tempo e é difícil desenvolver uma trama em um espaço de tempo tão limitado, que bom que dessa vez ela conseguiu.
    E realmente algumas famílias são destrutivas. Há essa ideologia de amor familiar incondicional, mas essa não é a realidade de todo mundo. Há algumas famílias que são tóxicas.


    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  10. Um livro que fala de muitos questionamentos interessantes. Gostei da resenha.
    Bom restante de semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  11. Oi Gabi tudo bem?
    Já li os alguns livros dessa autora há um bom tempo atrás e na época gostei bastante. Essa é a primeira resenha que leio desse livro, legal ela manter essa ligação familiar na trama.
    Beijos

    Divagando Palavras
    www.divagandopalavras.com

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Oiii Gabi

    Me surpreendi porque o livro aborda vários temas, nem imaginava que pudesse ser tão completo e complexo, legal saber que a autora acertou e não perdeu o rumo....haha. Eu nunca li nada da Gayle, mas fiquei bem interessada neste, o lance de três protagonistas diferentes que conseguem se destacar sem um ofuscar o outro também foi um grande acerto da autora, quero conferir com certeza.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir