17 de janeiro de 2019

RESENHA | O Homem de Giz – C.J. Tudor

Livro: O Homem de Giz
Autora: C.J. Tudor
Tradução: Alexandre Raposo
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Assassinato e sinais misteriosos em uma trama para fãs de Stranger Things e Stephen King
Em 1986, Eddie e os amigos passam a maior parte dos dias andando de bicicleta pela pacata vizinhança em busca de aventuras. Os desenhos a giz são seu código secreto: homenzinhos rabiscados no asfalto; mensagens que só eles entendem. Mas um desenho misterioso leva o grupo de crianças até um corpo desmembrado e espalhado em um bosque. Depois disso, nada mais é como antes.
Em 2016, Eddie se esforça para superar o passado, até que um dia ele e os amigos de infância recebem um mesmo aviso: o desenho de um homem de giz enforcado. Quando um dos amigos aparece morto, Eddie tem certeza de que precisa descobrir o que de fato aconteceu trinta anos atrás.
Alternando habilidosamente entre presente e passado, O Homem de Giz traz o melhor do suspense: personagens maravilhosamente construídos, mistérios de prender o fôlego e reviravoltas que vão impressionar até os leitores mais escaldados.
Só algumas crianças. Só uns amigos. Só crianças aos 12 anos, andando de bicicleta e vivendo as aventuras que se vive nesta idade. Tudo muito simples, até o dia em que nada é tão simples. Em 1986, Eddie e seus amigos, aos 12 anos de idade, tinham seu próprio código secreto e eles eram feito por meio de homenzinhos de giz rabiscados no chão. Cada um tinha sua cor de giz. Mas então aparece um homenzinho de uma cor diferente, branca. Nenhum deles usava esta cor. Os homens de giz branco parecem indicar algum lugar e eles seguem e então encontram. Encontram os pedaços do corpo de uma garota. Ela tinha sido esquartejada e a cabeça tinha sumido.
Agora, em 2016, 30 anos depois e já com 42 anos, Eddie tenta esquecer do passado. A cabeça da garota nunca fora encontrada e com uma solução para o crime que não parece verdadeira, as pessoas parecem ter esquecido. Mesmo que não seja como antes, mesmo que seus amigos não fossem mais tão amigos assim, cada um tentou seguir da sua forma, mas quando começam a receber mensagens misteriosas com o homem de giz, tudo parece voltar. E depois de que um dos amigos morrem, Eddie percebe que tem muito mais para desvendar. Ele precisa descobrir a verdade. Precisa descobrir quem é o homem de giz.
Não tem como esconder ou fazer mistério: O Homem de Giz é um dos livros mais brilhantes que já li. Este livro é aquele livro que consegue ser bom do início ao fim e que a cada página que vira você só se pergunta porquê não o leu antes.
"Se o nosso mundo fosse um globo de neve, esse foi o dia em que algum deus o pegou, sacudiu com força e colocou de volta no lugar. Mesmo depois de a espuma e os flocos terem assentado, as coisas nunca mais voltaram a ser como antes. Não exatamente. Podiam parecer iguais para quem olhasse através do vidro, mas, por dentro, tudo estava diferente."
Eddie é o protagonista da história. Ele é um verdadeiro protagonista. Não porque ele é apaixonante ou porque a gente o ame. Talvez muito pelo contrário. Ele é um protagonista porque consegue se fazer estar nesta história. Narrado em primeira pessoa, vemos tudo pela sua perspectiva e sabemos que não é confiável, mas é um protagonista que consegue entrar na sua mente. Ele é intenso, irritante e muitas vezes questionável, mas estamos presos a história que ele está nos contando e em momento algum não desejamos que seja ele que esteja nos contando esta história.
"Há certas coisas na vida que se pode alterar – o peso, a aparência, até o próprio nome –, porém há outras que são imutáveis, independentemente da força de vontade, do esforço e do trabalho árduo. São estas coisas que nos moldam: não as que podemos mudar, mas as que não podemos."
O Homem de Giz tem sim um protagonista incrível como disse acima, mas é um livro com muitos personagens e mesmo que não roubem o lugar do protagonista, são tão interessantes quanto. Muitas vezes, quando se tem vários personagens em uma história, eles acabam se tornando personagens sem importância e muitas vezes sem personalidade e se tem algo que não acontece neste livro, é isso. Não posso citar todos os personagens, então vou falar deles em geral porque todos são muito importantes, interessantes e tem muita personalidade, o que é incrível e só torna a história ainda mais rica porque podemos explorar e imaginar tanto que nossa mente muitas vezes se perde no quão grande são cada um dos personagens de O Homem de Giz.
"Ter princípios é algo bom. Se você puder bancá-los. Gosto de pensar que sou um homem de princípios, mas, no fim das contas, a maioria dos homens acha que é. O fato é que todos temos um preço, todos temos botões que podem ser pressionados para nos levar a fazer coisas que não são de todo honradas. Princípios não pagam a hipoteca nem quitam nossas dívidas. Princípios são uma moeda sem valor na rotina do dia a dia. Em geral, um homem de princípios é alguém que tem tudo o que quer ou não tem absolutamente nada a perder."
Como falei, a história é narrada em primeira pessoa e se divide entre o passado e o presente – 1986 e 2016 –, intercalando os capítulos entre o Eddie de 12 anos e o de 42. O melhor é que não conseguimos escolher qual é o melhor, se é ele criança ou adulto, porque as duas partes da história são incríveis, as duas são brilhantes e as duas, além de nos darem respostas, também levantam perguntas. Todavia, uma das coisas mais brilhantes é que a autora conseguiu distinguir muito essas duas épocas e esse protagonista que em uma narração é apenas um criança e na outra já é um adulto. A gente conseguia saber qual era qual apenas pela narração, escrita e por detalhes de época. Ela realmente não se perdeu e conseguiu nos entregar cada ponto perfeitamente.
"Ser uma boa pessoa tem a ver com a maneria como você trata os outros. As pessoas boas não precisam de religião, porque sabem em seu íntimo que estão fazendo a coisa certa."
O Homem de Giz é um livro que está lidando com a realidade a sua volta. Seja a realidade 1986 ou a de 2016. É um livro que não está focado só no protagonista e nos assassinatos, ele mostra ao redor e com isso fala sobre temas polêmicos, como o aborto. Mas calma, não é aquele livro que vem para falar sobre o tema, é um livro que lida com a realidade, mostra que existe e é muito interessante a forma como vamos vendo isso. Além de nos mostrar as diferenças entre as épocas, mostra que não evoluímos em tudo e o que era polêmico no passado, continua sendo um tabu agora.
"Preciso acordar. Nesse instante. Mas não consigo. Não desse sonho. Alguns sonhos, como certas coisas na vida, têm que seguir seu rumo. E, mesmo se eu acordasse, o sonho voltaria. É o que sempre acontece com esse tipo de sonho, até que alcance o âmago e corte duas raízes podres."
Eu quase nunca falo sobre a edição de um livro, mas é necessário falar sobre a edição deste. Tudo neste livro é tão incrível, inclusive a sua edição e não só porque é capa dura, não só porque é mesmo linda, mas por tudo. Esta edição é incrível e merece ser falada porque diz tanto sobre a história. Eles foram cuidados e detalhistas em tudo só para nos dar em capa, páginas e detalhes tudo o que é O Homem de Giz. E, fora a edição, é necessário elogiar o quão brilhante e talentosa é a escritora deste livro, C.J. Tudor, que em seu primeiro livro, mostrou o quão fascinante pode ser sua escrita e mostrou o que é um suspense de verdade, que consegue dar pistas e deixar o leitor ainda mais confuso, fazendo perguntas e procurando respostas, devorando até a última página do livro, sem conseguir parar. Ela fez do seu trabalho uma obra verdadeiramente magnífica.
"Eu a puxei e a abracei o mais forte que consegui, como se pudesse espremer toda a dor para fora dela, embora uma pequena parte de mim se perguntasse se, às vezes, esquecer não era um ato de bondade.
Talvez o que matasse fosse lembrar."
Se alguém me perguntar quais são os livros mais incríveis que já li na minha vida, com certeza O Homem de Giz estará entre eles, pois mesmo não sendo um gênero que eu esteja acostumada a ler, me mostrou o quão impressionante ele pode ser. Talvez eu sempre vá ficar meio perdida falando dele, porque ainda estou absorvendo tudo o que ele é, mas com certeza sempre me lembrarei do quão fascinante foi lê-lo.
"Mão. Nenhum de nós está realmente preparado para a morte. Para algo tão definitivo. Como serem humanos, estamos acostumados a controlar nossas vidas. A estendê-las até certo ponto. Mas a morte não aceita argumentos. Nenhum apelo final. Nenhum recurso. Morte é morte, e ela detém todas as cartas. Mesmo que a enganemos uma vez, ela não vai nos deixar blefar na segunda." 

ADQUIRA

14 comentários:

  1. Oi Gabi!
    No lançamento desse livro lembro que fiquei bem afim de fazzer essa leitura, mas com o tempo foi ficando no esquecimento, muito bom saber que você gostou!

    Divagando Palavras
    www.divagandopalavras.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Gabi, tudo bem? Quando o livro foi lançado a capa me chamou muito a atenção, quando vi na livraria que o corte das páginas era pintado, surtei e adorei... mas aí não comprei por causa do preço e a vontade de ler foi passando. Tua resenha me motivou e renovou o interesse pela história que deve ser intensa e marcante.
    Beijos, Adri
    Espiral de Livros

    ResponderExcluir
  3. Oi, Gab
    Eu vi muita gente falando desse livro, eu até me interessei pelo mistério, e a genialidade dele me faz até querer ler, mas morro de preguiça de suspense, por isso não quero começar e acabar abandonando no meio da leitura.

    Beijo
    http://www.capitulotreze.com.br

    ResponderExcluir
  4. Que capa, hein? Linda e ao mesmo tempo impactante. Essa história parece ser sensacional. Já quero conhecer!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Gabi,
    Estou empolgada para ler depois dessa resenha, hein?
    Aqueles livros que marcam a vida são as melhores indicações! Queroooooo!
    Beeeeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oie!
    Que bom ler a sua resenha nesse momento! Fui na livraria e um moço me disse super bem desse livro, mas fiquei bem receosa e acabei não levando. Agora lendo a sua resenha claramente eu fui uma boba hahaha Mas tudo bem! Já sei que irei comprar esse livro na próxima.
    Sempre fico receosa quando a narrativa tem dois períodos, um acaba sendo melhor que o outro e eu acabo perdendo a vontade, sabe? Ainda bem que nesse livro os dois períodos são cativantes.
    Ótima indicação.
    Beijos
    Our Constellations

    ResponderExcluir
  7. Oi, Gabi!
    Fiquei curiosa por esse livro há algum tempo, mas agora a sua resenha me deixou com vontade de lê-lo para estudar a construção do livro em si: ambientação, personagens, enredo...
    Vou colocá-lo na minha lista de leitura.

    Obrigada pela dica!
    Um beijo,
    Fê Rodrigues | contato@algumasobservacoes.com
    Algumas Observações
    Projeto Escrita Criativa

    ResponderExcluir
  8. Oi Gabi!
    Sempre que falam em grupo de crianças me lembro de Stranger things, rs
    Não li ainda mas já vi várias resenhas positivas como a sua!
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oiee!!

    Nossa, já fiquei bem curiosa! Deve ser mesmo maaravilhoso, para você definir como um dos livros mais brilhantes que já leu!

    Esse livro estava na minha lista, mas eu já tinha até me esquecido porque... agora já lembrei, e não vejo a hora de ler!

    Bjuss
    Início de Conversa

    ResponderExcluir
  10. Oiii Gabi

    É maravilhoso quando um livro marca assim a gente de tal maneira que até pra falar parece que ainda estamos meio perdidas porque fica dificil descrever a prefeição do que lemos. Que incrivel esse impacto que causou em ti.

    Com certeza vai pra lista. Eu gosto de thrillers e esse parece ser daqueles que marca a diferença com certeza.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  11. Antes de tudo obrigado por comentar na minha resenha. Só tenha a dizer que resena é essa amiga!!!!!! Já tinha visto o livro por ai, mas não me interessei a ler, nao nem resenha pra ser sincera, mas sua resenha e deixou curiosa, amo suspense e acho que esse tem né? kkk
    Vou procurar em ebook e adiciona-lo na lista para 2019.
    https://www.divagandopalavras.com/

    ResponderExcluir
  12. Guriaaaaa, parece muito com o tipo de livro que estou lendo atualmente. Bem na linha de Agatha Cristhie e escritoras afins.. rs
    Adorei a sugestão, já vou colocar na minha bucketlist
    Adorei teu blog!
    Visita o meu e siga, caso goste!
    Beijinhos!
    Te seguirei igual!

    ResponderExcluir
  13. Oi Gabi, tudo bem?
    Nossa, se eu já estava com vontade de ler esse livro antes, agora só aumentou. Depois de tantos elogios estou ansiosa para desvendar esse mistério. Estou realmente precisando de um livro que eu não consiga parar de ler.

    Beijos;

    Mente Hipercriativa
    FanPage Mente Hipercriativa

    ResponderExcluir
  14. Que delícia de resenha! A curiosidade ficou gigantesca aqui desde a sinopse. Ao ler os elogios, surtei! Sou apaixonada por histórias narradas em primeira pessoa e com uma construção de mistérios e entrelinhas bem feitas, não tem pra onde correr. Lindeza!

    semquases.com

    ResponderExcluir